Portugal entre os países que boicotam inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém

Maioria dos países da União Europeia boicota inauguração de embaixada americana na cidade disputada entre israelitas e palestinianos. Estes prometem manifestações ferozes a partir de amanhã. Israel ameaça com resposta robusta

Jerusalém é a terra de que todos falam por estes dias. Netta Barzilai, vencedora israelita da Eurovisão, anunciou que o festival do próximo ano terá lugar em Jerusalém, cidade que há décadas é disputada entre israelitas e palestinianos. Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelita, confirmou, no Twitter, a notícia e festejou a vitória, que surgiu numa altura em que o Estado de Israel festeja os seus 70 anos (foi fundado a 14 de maio de 1948). Hoje, o seu governo deu luz verde à construção de um teleférico entre Jerusalém Ocidental e a Cidade Velha, em Jerusalém Oriental, setor palestiniano ocupado por Israel. E amanhã é inaugurada a embaixada dos EUA em Jerusalém, depois de o presidente Donald Trump ter reconhecido, numa decisão polémica, Jerusalém como capital de Israel.

Mas se o clima é de festa, do ponto de vista dos israelitas, o mesmo não se poderá dizer dos palestinianos, países árabes e muçulmanos, europeus céticos ou críticos em relação à abordagem do presidente norte-americano face ao processo de paz israelo-palestiniano e ao estatuto de Jerusalém. Por isso, dezenas de países decidiram não se fazer representar hoje na cerimónia alusiva à inauguração da embaixada dos EUA, que antes estava em Telavive. Foi o caso de Portugal. República Checa, Roménia, Áustria e Hungria são dos poucos países da União Europeia a marcar presença. Angola, referiu ontem o jornal israelita Haartez, também estará presente, tal como a Guatemala e o Paraguai, sendo que estes dois últimos países também pretendem mudar este mês as suas embaixadas para Jerusalém.

"Portugal não se fará representar na inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém", confirmou o DN junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros português. A cerimónia do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita para assinalar a inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém decorreu hoje à noite. Além de Benjamin Netanyahu, este evento contou com a delegação norte-americana enviada para o efeito. Esta inclui a filha do presidente dos Estados Unidos Ivanka Trump, bem como o seu marido e assessor presidencial Jared Kushner. Foram convidados 86 embaixadores e encarregados de negócios, mas a maioria dos Estados europeus não esteve presente por não concordar com a mudança da embaixada de Telavive para Jerusalém, decisão que rompe o consenso da comunidade internacional.

Quando em 1948 foi declarada a independência de Israel e, depois disso houve a guerra israelo-árabe, Jerusalém foi dividida, com a parte Ocidental a ficar para Israel e a Oriental controlada pela Jordânia. Na Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel ocupou a parte Oriental , tendo vindo desde então a construir nessa zona colonatos judaicos. Estes são considerados ilegais pela comunidade internacional, algo que o governo israelita contesta. Os palestinianos, por seu lado, reivindicam Jerusalém Oriental como a capital do futuro Estado da Palestina. Isso mesmo têm reafirmado nas negociações para se chegar a uma solução de dois Estados independentes, vivendo lado a lado, em paz. As negociações têm estado, porém, numa espécie de ponto morto, sem conhecer grandes avanços.

A acrescentar a isto estão os diferentes significados que Jerusalém tem para as várias religiões. Para os cristãos foi o local da paixão, zona onde Jesus Cristo foi crucificado. Para os muçulmanos, é o lugar onde o profeta Maomé ascendeu aos céus e, para os judeus, foi a cidade declarada como capital dos judeus pelo rei David. Por isso, Jerusalém atrai peregrinos de diferentes religiões em busca de lugares sagrados, como Monte Calvário, mesquita de Al-Aqsa ou Muro das Lamentações. Oferecer aos turistas de todo o mundo um acesso confortável à Cidade Velha foi precisamente o argumento hoje usado pelo ministro do Turismo israelita, Yariv Levin, para justificar o projeto do teleférico (no valor de 43 milhões de euros).

Nas críticas à mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém tem-se destacado a voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan. "Jerusalém Oriental é a cidade capital da Palestina", disse à CNN, classificando como "grande erro" a decisão de Donald Trump. Este não estará hoje na inauguração, mas falará através de videoconferência. "Jerusalém é a capital de Israel. Isto é algo que tem que ser feito", disse em dezembro o presidente dos EUA. O Hamas, movimento xiita, que controla a Faixa de Gaza (que com a Cirjordânia compõe aquilo a que se chama territórios palestinianos), prometeu grandes manifestações para amanhã e para terça-feira. Israel prometeu, como até agora, uma "resposta robusta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.