Primeiro-ministro da Guiné-Bissau demite-se

Umaro Sissoco Embaló anunciou no Facebook que apresentou o pedido de demissão do cargo ao Presidente guineense

No texto, Embaló, de 46 anos, não especificou os motivos para o pedido de demissão, apenas referiu ter apresentado hoje ao chefe do Estado guineense a segunda carta naquele sentido, depois de o já ter feito no passado dia 06 de dezembro.

"Agradeço vivamente o Presidente da República, os membros do Governo, com os quais trabalhei durante 15 meses", indicou Umaro Sissoco Embaló que afirma ser fiel aos partidos e deputados que o apoiaram.

Embaló afirmou, igualmente no Facebook que, olhando pela história, em 20 anos, nunca os doadores se mostraram satisfeitos com um governo, numa referência ao desempenho da sua equipa.

Também hoje, o jornal guineense O Democrata, na sua edição 'online' noticiou que o primeiro-ministro entregou ao Presidente guineense a carta de demissão do cargo, citando várias razões que teriam motivado Embaló.

Segundo O Democrata, o primeiro-ministro "não digeriu bem" a posição do chefe do Estado nos incidentes com dois ministros do seu governo, João Fadiá, das Finanças, e Botche Candé, do Interior.

O jornal afirma que Umaro Embaló considerou que José Mário Vaz esteve do lado dos seus ministros.

A Lusa tentou infrutiferamente confirmar o pedido de demissão com o próprio Embaló e com a Presidência da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.