"Na Colômbia hoje a paz é irreversível"

O presidente da Colômbia, que faz hoje uma visita de Estado a Portugal e recebe um doutoramento honoris causa na Universidade Nova, fala ao DN do desafio do processo de paz com as FARC, que lhe valeu o Nobel da Paz em 2016.

Nesta entrevista por escrito, Juan Manuel Santos debruça-se também sobre o combate ao narcotráfico e a crise política na vizinha Venezuela. Está pela segunda vez em Portugal neste ano (veio a Fátima para o centenário das aparições), tendo a visita de Estado prevista para junho sido adiada devido aos incêndios de Pedrógão e a um atentado em Bogotá.

Conseguiu que a guerrilha das FARC assinasse um acordo de paz depois de mais de 50 anos de conflito. Como é que está a ser implementado esse acordo e que dificuldades existem?

A implementação avança a bom ritmo, mais rapidamente do que em qualquer outro processo de paz no mundo, apesar das dificuldades logísticas próprias de um processo desta natureza. Desde a assinatura do acordo não houve um só confronto entre as Forças Armadas e as FARC. Nem um só ferido, nem um morto nem um só civil afetado. Para trás ficou todo o sofrimento causado pelo conflito. As armas foram entregues e destruídas sob o controlo da Missão de Verificação do Conselho de Segurança das Nações Unidas. É o processo de desarmamento com o maior número de armas entregues por combatente nos processos de paz conhecidos no mundo. Também é o mais rápido de todo. Estamos a avançar com os programas de desenvolvimento rural e fortalecimento da presença do Estado nas regiões mais afetadas pelo conflito. Graças à paz, em 2017, pudemos intervir em 40% do território afetado por minas antipessoais e o objetivo é que, em 2021, a Colômbia fique livre deste flagelo. Também subscrevemos acordos de substituição voluntária com 80 mil famílias que vivem nos municípios que concentram a maioria dos cultivos de coca. O Congresso está a trabalhar nas leis necessárias para a justiça transicional e para facilitar a reincorporação social e política das FARC. Hoje a paz é irreversível.

Também está a negociar com a guerrilha do ELN. Que diferença existe em relação às negociações com as FARC?

São duas organizações distintas, com estruturas e interesses distintos. A dinâmica da negociação é por isso diferente. Mas claramente os processos devem convergir.

Estava previsto ter vindo em junho a Portugal, mas o luto nacional pelos incêndios de Pedrógão e um atentado em Bogotá alteraram esses planos. Esse ataque foi uma situação esporádica ou a paz é algo impossível?

Deixe-me começar por expressar novamente a nossa solidariedade e as nossas condolências ao povo e ao governo portugueses por esse terrível incêndio. Quanto a esse atentado, foi um ato isolado e que não põe em risco os passos firmes e decididos que a Colômbia está a dar a caminho da paz.

Na luta contra o narcotráfico houve um aumento dos cultivos ilícitos. Que significa isso e o que pode ser feito para reverter a situação?

Apesar de o aumento recente nos preocupar, o acordo de paz representa uma oportunidade única para encontrar uma solução definitiva para o problema dos cultivos ilícitos. Agora, pela primeira vez, podemos oferecer alternativas reais e sustentáveis aos camponeses. Temos um plano de substituição voluntária com projetos produtivos, rendimentos e assistência técnica e acesso a terras. Os acordos com as comunidades vão permitir-nos substituir 50 mil hectares de coca. Mantemos igualmente uma política de erradicação forçada dos cultivos comerciais. Neste ano, esperamos erradicar 50 mil hectares com a nossa força pública. Já atingimos 80% dessa meta.

Os EUA têm sido os maiores aliados da Colômbia no combate ao narcotráfico. Já se reuniu com o presidente Trump, que ameaçou cortar no apoio norte-americano se Bogotá não conseguir travar o cultivo e o contrabando de drogas. Como qualifica hoje as relações entre Colômbia e EUA?

Muito boa. A Colômbia construiu uma aliança estratégica com os Estados Unidos que conta com o apoio bipartidário em Washington. É uma relação que abarca todos os aspetos, segurança, comércio, investimento, educação. Na nossa recente reunião, o presidente Trump manifestou o seu apoio ao acordo de paz e o seu desejo de manter a luta contra o narcotráfico. No Congresso, tanto republicanos como democratas apoiaram os programas de cooperação e apoio à Colômbia. Prova disso é a aprovação por parte do Congresso do programa Paz Colômbia que inclui um importante pacote de ajuda económica para o pós-conflito.

Também falou com o presidente Trump sobre a situação na Venezuela. Como vê a Colômbia a crise política do seu vizinho? E o que pode fazer para ajudar sem ser acusada de ingerência?

A crise política na Venezuela preocupa-nos muitíssimo. A ninguém convém que se consolide uma ditadura num país tão importante. A partir da Colômbia insistimos no nosso apelo a procurar uma saída pacífica para a crise.

É possível que a América Latina dê um salto em frente quando a maior economia regional, o Brasil, enfrenta uma crise não só económica mas também política?

Apesar do choque económico que enfrentámos no ano passado, há países da região como a Colômbia que conseguiram manter o crescimento, ajustando as finanças públicas, sem descuidar dos avanços sociais. Entre 2000 e 2016, a economia da Colômbia quase duplicou em termos reais. Espero e confio que o Brasil possa recuperar o caminho do crescimento económico. É um país que pesa muito na região.

As previsões apontam para um crescimento da economia colombiana de quase 3%, acima do registado no ano passado, mas abaixo dos valores dos seus primeiros anos na presidência. O processo de paz pode dar um novo alento à economia e ao investimento estrangeiro?

A Colômbia enfrentou com sucesso, sem deixar de crescer, um golpe externo muito duro com a queda dos preços do petróleo. Agora, superada a tempestade e sem conflito, a economia vai retomar o caminho do crescimento sólido que tivemos. Todos os estudos coincidem que a paz deve trazer um crescimento adicional de pelo menos 1% do PIB por ano. Dou dois exemplos. O potencial agrícola e agroindustrial da Colômbia é enorme. Esteve durante demasiado tempo travado pelo conflito. Agora esse potencial pode tornar-se realidade. O turismo é outros dos setores mais dinamizados pela paz. Já superámos todos os níveis da chegada de turistas do mundo inteiro, atraídos pela beleza da Colômbia e que podem agora conhecer e desfrutar com tranquilidade. Com a paz haverá mais investimento das empresas locais e estrangeiras e isso significa mais emprego e mais oportunidades em todos os cantos da Colômbia. Temos além disso desenhado um plano de incentivos fiscais para as empresas que invistam nas zonas antes em conflito.

Nesta visita a Portugal espera assinar novos contratos? Casos de sucesso como o da Jerónimo Martins podem atrair outras empresas portuguesas?

A Jerónimo Martins não é a única empresa portuguesa a investir com sucesso na Colômbia. Temos visto chegar também empresas hoteleiras como o Grupo Pestana, assim como outras dedicadas à construção, aos serviços petrolíferos, farmacêuticas, entre outras. O seu sucesso é um sinal magnífico para as outras empresas portuguesas que veem na Colômbia o potencial de uma economia dinâmica, com uma classe média em crescimento e localizada estrategicamente na América Latina. Um dos objetivos desta visita é precisamente dar a conhecer as nossas políticas em temas económicos e de investimento, assim como o enorme potencial de desenvolvimento que tem a Colômbia.

Quando os portugueses pensam na Colômbia, também pensam em Gabriel García Márquez ou Shakira. De que outra forma podem reforçar-se os laços entre os dois países?

Queremos fortalecer o nosso comércio bilateral e o investimento mútuo. Acreditamos que existem grandes complementaridades entre as nossas economias. E grandes oportunidades para reforçar os nossos vínculos comerciais e económicos. Nesse mesmo sentido, temos de ampliar o turismo mútuo. Quero convidar os portugueses a ir à Colômbia e a descobrir um país vibrante, que cresce e progride. Um país de pessoas amáveis e sorridentes, de uma grande diversidade e riqueza culturais. Um país excecional pela beleza natural. Somos o segundo país com mais biodiversidade do planeta, com paisagens únicas. Esperamos-vos de braços abertos.

Por último, algo mais pessoal. O que é que alguém que foi presidente da Colômbia e ganhou um Nobel da Paz pode fazer quando deixar a Casa de Nariño? Pensa voltar ao jornalismo?

Tenho a certeza de que me vou retirar da política, pois não tenho nenhuma pretensão em continuar agarrado ao poder. O jornalismo está no meu sangue, por isso nunca o deixarei, mas o que quero realmente fazer quando acabar o meu mandato é escrever e, se tiver a oportunidade, ser professor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.