Morreu Koko, a gorila que comunicava através de língua gestual

Animal tocou a vida de milhões de pessoas como um ícone para a comunicação e empatia entre espécies

Morreu aos 46 anos Koko, uma gorila de planície ocidental que dominava a Língua Gestual Americana, anunciou a Gorilla Foundation esta quinta-feira.

"A Gorilla Foundation anuncia com tristeza o falecimento da nossa querida Koko", disse o centro de investigação num comunicado, acrescentando que ela perdeu a vida enquanto dormia.

Koko não é exemplo único entre os primatas que aprendem a comunicar através da língua gestual. É o caso de Washoe, uma fêmea de chimpanzé do estado norte-americano de Washington, e Chantek, um orangotango macho de Atlanta. E segundo os tratadores, Koko também era capaz de compreender o Inglês.

A gorila de planície ocidental "falante" tornou-se numa embaixadora para a sua espécie, que é ameaçada pela exploração de madeira e pela caça furtiva nos seus habitats nativos na África Central.

Fonte da Gorilla Foundation afirmou que Koko tocou as vidas de milhões de pessoas como um ícone para a comunicação e empatia entre espécies. "Ela era muito amada e fará muita falta", disse.

Koko nasceu no zoo de São Francisco no dia 4 de julho de 1971 com o nome de Hanabi-ko, um termo japonês para "Fireworks Child" (Criança Fogo-de-Artifício). No ano seguinte a doutora Francine "Penny" Patterson começou a trabalhar com o animal e ensinou-lhe a língua gestual.

A gorila ganhou destaque em vários documentários e apareceu duas vezes na capa da National Geographic, sendo que numa dessas edições, de outubro de 1978, é possível vê-la a tirar uma fotografia de si mesma em frente a um espelho.

Fez a sua estreia na Internet em 1998, participando naquilo que viria a ser o primeiro chat "entre espécies". Com a ajuda de um intérprete proferiu comentários como "eu gosto de bebidas" para dezenas de milhares de participantes online.

Nas redes sociais da fundação foram várias as mensagens de pesar deixadas pelos utilizadores. "A chorar como um bebé neste momento. Estas notícias partiram-me o coração. Desde muito nova eu era fascinada pela Koko e ela ensinou-me muito a amar, a ser bondosa, a respeitar os animais e o nosso planeta", escreveu Jess Cameron no Facebook.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.