Ministro da Defesa grego demite-se antes de votação sobre nome da Macedónia

Panos Kammenos não concorda com a alteração do nome para República da Macedónia do Norte e deixa governo. Acordo conseguido em junho entre Grécia e a Macedónia pode não aprovado no parlamento helénico

O ministro da defesa grego e principal aliado da coligação do Governo de Alexis Tsipras, Panos Kammenos, anunciou este domingo que vai renunciar ao cargo, antes da próxima votação parlamentar sobre o novo nome da Macedónia, ao qual se opõe. "A questão da Macedónia não me permite não sacrificar a minha posição como" ministro, afirmou, anunciando a "retirada do Governo" de membros do seu partido, numa declaração em direto para as televisões.

"Agradeci ao primeiro-ministro pela nossa cooperação e expliquei que, devido a essa questão nacional, não poderíamos continuar", acrescentou Panos Kammenos, líder do pequeno partido soberanista ANEL, vai dar mais pormenores sobre a resignação do cargo numa conferência de imprensa marcada para o início da tarde deste domingo.

Na sexta-feira, o parlamento da Macedónia ratificou o acordo sobre o nome de "República da Macedónia do Norte" que, para entrar em vigor, deve agora ser ratificado pelo congénere grego. A votação em Atenas deve acontecer "dentro de dez dias", segundo Alexis Tsipras.

É necessária uma maioria simples para a mudança de nome da Macedónia, tendo o chefe do Governo uma pequena margem de manobra (153 de 300, incluindo 145 do seu próprio partido). O principal partido da oposição, Nova Democracia (78 eleitos), anunciou que iria votar contra a ratificação do acordo, mas os eleitos do ANEL mantiveram a ambiguidade e poderão aprovar a mudança de nome, apesar da demissão do seu líder.

Quanto aos seis membros do Governo provenientes do ANEL, não é seguro que sigam os passos de Kammenos e o primeiro-ministro espera ainda o voto dos deputados do partido pró-europeu da oposição Potami, que tem sete eleitos.

Tsipras e o seu homólogo macedónio, Zoran Zaev, assinaram em junho o acordo de Prespa, que prevê a alteração da designação do país (Macedónia, ou Antiga República Jugoslava da Macedónia, Fyrom), para "República da Macedónia do Norte", mas a sua concretização ficou dependente da sua aprovação pelos parlamentos de Skopje e Atenas.

A alteração destina-se a terminar com um velho litígio de quase três décadas entre os dois vizinhos, e terminar com o veto grego à adesão da Macedónia à NATO e ao processo de aproximação com a União Europeia (UE). Atenas exigia a mudança de nome por considerar que Macedónia faz parte do seu património histórico e só podia ser usado pela sua província com o mesmo nome.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?