Um mergulho no meio de lixo e plástico do mar de Bali

Mergulhador mostra a situação que está a assolar a zona de Bali, e outras circundantes. Indonésia produz 130 mil toneladas de resíduos sólidos todos os dias

Rich Horner, um mergulhador britânico, partilhou nas redes sociais e no YouTube um vídeo em que nada perto de Bali, Indonésia, num mar cheio de plástico e lixo. As imagens foram recolhidas durante um mergulho em Nusa Penida, a cerca de 20 quilómetros da popular ilha de Bali.

"Sacos de plástico, garrafas de plástico, copos de plástico, baldes de plástico, ferramentas de plástico, sacos de plástico, mais sacos de plástico, plástico e plástico. Tanto plástico", escreveu Horner nas redes sociais.

O vídeo mostrar o mergulhador na água durante dois minutos e meio, a nadar efetivamente no meio de lixo e plástico, sem esquecer os resíduos que parecem já coagulados na superfície. A situação está já afetar alguma da fauna que por ali se encontra, explica o Guardian.

A ilha de Bali, e as regiões próximas, têm sofrido com o excesso de lixo, principalmente o que vem da ilha de Java, durante a época das chuvas. A situação está a horrorizar turistas e ambientalistas.

A Indonésia produz cerca de 130 mil toneladas de lixo sólido, incluindo o plástico, todos os dias, com metade a chegar às lixeiras. A outra metade ou é ilegalmente queimada ou deitado no mar e rios da Indonésia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.