Médico apelidado de "Dr. Bumbum" é preso após morte de cliente no Rio de Janeiro

Denis Furtado e a mãe eram procurados pela polícia desde domingo, altura em que uma das pacientes do médico faleceu depois de uma intervenção

Foi preso o médico brasileiro conhecido como Dr. Bumbum, que andava fugido à polícia desde domingo passado, dia em que morreu uma paciente que tinha efetuado uma cirurgia de aumento dos glúteos, na casa particular do profissional, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Denis Furtado, 45 anos, e a mãe Maria de Fátima, 66 - a ajudante do médico durante o procedimento estético -, foram presos esta quinta-feira na Barra da Tijuca, durante uma visita ao escritório do advogado.

"A Polícia Militar conseguiu encontrá-los no escritório do advogado [no centro comercial da Barra da Tijuca]", disse a delegada Adriana Belém a repórteres que aguardavam à porta da delegacia, cita o jornal O Dia.

Furtado e a mãe estão a ser presos indiciados por homicídio qualificado da bancária Lilian Calixto, assim como por associação criminosa.

Segundo o jornal Estadão , advogados acreditam que o Dr. Bumbum poderá responder por outros crimes.

Dr. Bumbum defende-se no Instagram

Num vídeo divulgado na rede social Instagram, antes de ser preso, Denis Furtado falou sobre o caso.

"Como todos sabem, aconteceu uma fatalidade. Uma fatalidade que acontece com qualquer médico", afirmou.

Dr. Bumbum revelou que Lilian deixou o consultório [apesar de a polícia afirmar que o procedimento aconteceu na sua casa e não num espaço médico] "muito bem" e que seis horas depois o procurou com queixas. Levou ao hospital, onde viria a falecer de paragem cardíaca.

"É um mistério ainda a causa da morte. Mas é uma injustiça o que estão a dizer de mim na televisão. É uma injustiça acusarem-me de não ser médico, eu tenho um CRM [carteira profissional] antigo. É uma injustiça dizer-se que é um procedimento para o qual não é habilitado", concluiu.

Recorde-se que depois da morte da paciente, o médico teve a cabeça a prémio. A sua foto apareceu no Portal dos Procurados com a referência de que se oferecia mil reais (224 euros) de recompensa por informações que levassem ao seu paradeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.