Frank Cali, o líder mafioso da família Gambino, morto a tiro em Nova Iorque

O crime aconteceu em Staten Island, em frente da vivenda onde vivia o chefe da família que chegou a ser considerada a maior organização criminosa dos Estados Unidos

O chefe da máfia Frank Cali, líder da família Gambino, foi morto a tiro na noite desta quarta-feira diante de sua casa em Nova Iorque, informou a polícia norte-americana.

Cali, de 53 anos, foi baleado seis vezes no peito e, de acordo com alguns relatos, também foi atropelado pela carrinha conduzida pelos seus supostos assassinos. O líder mafioso foi transferido para o Hospital da Universidade de Staten Island, onde foi declarado morto.

O crime ocorreu em frente da sua vivenda, no bairro de Todt Hill, em Staten Island, conhecido pela influência de mafiosos. A família Gambino, uma das cinco que compõem a máfia siciliana de Nova Iorque, chegou a ser considerada a maior organização criminosa dos Estados Unidos dedicada a todos os tipos de atividades ilícitas até à sua queda nos anos 90.

O homicídio de Cali é o primeiro em décadas de um chefe da máfia em Nova Iorque e o de maior impacto na família Gambino desde 1985, quando John Gotti ordenou a morte do então líder Paul Castellano para tomar o poder da organização.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.