Líder do SPD demite-se. Coligação com Merkel em risco

Andrea Nahles sai após maus resultados nas eleições europeias.

A líder do Partido Social-Democrata alemão, de centro-esquerda, força que pertence à coligação do Governo da chanceler Angela Merkel, renunciou este domingo ao cargo, após a derrota nas eleições para o Parlamento Europeu.

Num comunicado, Andrea Nahles afirmou que pretende, com esta demissão, "clareza", depois de as questões levantadas nas últimas semanas sobre a sua capacidade de liderança do partido demonstrarem que não tem o apoio dos seus correligionários.

Nahles disse que deixará os cargos de presidente dos social-democratas e de líder da sua bancada parlamentar, para assegurar que os seus sucessores sejam encontrados "de forma organizada".

Os social-democratas alemães caíram para o terceiro lugar nas eleições para o Parlamento Europeu, realizadas a 26 de maio, atrás do bloco de centro-direita de Merkel e dos Verdes.

A demissão de Andrea Nahles acontece no dia em que arranca uma reunião da liderança da União Democrata Cristã (CDU), convocada por Annegret Kramp-Karrenbauer, seis meses depois de ter sucedido à chanceler Angela Markel na liderança do partido. Fontes citadas pela Bloomberg dizem que esta reunião foi pensada para pressionar Merkel a abandonar a liderança do governo e cedê-la àquela que já foi chegou a ser apelidada de mini-Merkel.

A última vez que houve uma reunião deste género dentro do partido foi no outono do ano passado, quando Merkel anunciou que deixava a liderança da CDU após 18 anos no cargo na sequência dos maus resultados eleitorais nas eleições regionais dos estados federados do Hesse e da Baviera.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.