Joan Collins escapa de incêndio "aterrador". E mostra o estrago

A atriz britânica teve de ser assistida no local devido à inalação de fumo. Aproveitou as redes sociais para agradecer o trabalho dos bombeiros londrinos

"Os restos do dia". Foi assim que Joan Collins descreveu este domingo às mais de 140 mil pessoas que a seguem no Instagram o estado em que ficou o seu apartamento de Londres depois de um incêndio que deflagrou na tarde de sábado.

A atriz britânica, de 85 anos, teve de ser assistida no local devido à inalação de fumo, mas não foi necessário ser transportada para o hospital. Collins aproveitou as redes sociais para agradecer o trabalho de cerca de uma dezena de bombeiros da capital inglesa, que conseguiram extinguir o incêndio numa hora.

O fogo "aterrador", como a própria atriz descreveu, deflagrou num prédio de sete andares em Eaton Place, no luxuoso bairro de Belgravia, em Londres.

A atriz, consagrada com o título de dama pela rainha Isabel II, em 2015, usou o Twitter para agradecer, "do fundo do coração" aos bombeiros, à polícia e à equipa que a socorreu e que a confortou do susto que apanhou. Referiu-se ainda ao marido, Percy Gibson, um "herói" que apagou as chamas de uma das paredes do apartamento com a ajuda de um extintor de mão.

Os bombeiros de Londres lamentaram o sucedido e ofereceram ajuda adicional para o que a atriz precisasse após o incêndio que devastou parte do seu apartamento. "Felizmente fomos capazes de ajudar. Diga-nos se precisa de mais assistência", escreveu a corporação num dos comentários do Instagram.

De acordo com a BBC, um porta-voz da polícia metropolitana afirmou que duas pessoas tiveram de receber assistência no local e que o incêndio não teve origem suspeita.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.