"Imagina pedir o seu companheiro em casamento?" A estranha pergunta à PM neozelandesa

Numa entrevista à BBC, a jornalista perguntou a Jacinda Ardern se planeia pedir o seu parceiro Clarke Gayford em casamento e, depois da resposta, questionou-a acerca das suas credenciais feministas.

Estávamos já no fim da entrevista da BBC à primeira-ministra da Nova Zelândia Jacinda Ardern quando a jornalista Victoria Derbyshire lhe pergunta se se imagina a pedir em casamento o companheiro de longa data e pai da sua filha Clarke Gayford, ou se vai esperar que ele o faça.

Ardern, que passou pelo Reino Unido, onde se encontrou com a primeira-ministra Theresa May e dali partiu para o Fórum Económico Mundial de Davos, deu, aparentemente surpreendida, uma gargalhada, e respondeu: "Não pediria, não."

A entrevistadora continuou: "É feminista?" E Jacinda Ardern respondeu: "Absolutamente, sou absolutamente uma feminista. Mas quero fazê-lo passar pela dor e tortura de ter de agonizar com aquela pergunta [pedido de casamento]. Não o livro disso assim, nem pensar."

Antes, a primeira-ministra da Nova Zelândia falou das suas expectativas em relação a um futuro acordo comercial com o Reino Unido pós-Brexit, das atuais mudanças geopolíticas e da sua experiência a conjugar a maternidade com o cargo, que descreveu como "por vezes uma luta", mas uma experiência "profunda" que a aproxima da vida das outras mulheres.

Jacinda Ardern foi a segunda líder mundial a ser mãe enquanto exercia o cargo de primeira-ministra e, recorde-se, no ano passado levou a sua filha de então três meses a uma sessão da Assembleia-geral da ONU, na sede, em Nova Iorque. A primeira-ministra discursou na Cimeira da Paz Nelson Mandela e essa foi a primeira vez que um bebé assistiu a uma assembleia das Nações Unidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.