Hungria diz que pedido de solidariedade da UE é "uma estupidez"

"Solidariedade significa ajudar pessoas em perigo onde elas vivem e ajudá-las a regressar a casa quando o conflito acaba"

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria considerou "uma estupidez" o acolhimento de milhões de refugiados pela Europa, depois de a Áustria ter defendido sanções para os países que recusem as quotas estabelecidas por Bruxelas.

O chanceler austríaco, Werner Faymann, tinha dito que os países que não cooperarem com o programa de quotas de refugiados aprovado pela União Europeia e receberem mais dinheiro do que o valor com que contribuem para o orçamento europeu, poderiam ver os seus subsídios reduzidos.

"O chanceler austríaco parece não ver a diferença entre solidariedade e estupidez", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto. Para Szijjarto, "solidariedade significa ajudar pessoas em perigo onde elas vivem e ajudá-las a regressar a casa quando o conflito acaba", afirmou, no domingo, à agência de notícias húngara, MTI.

"Estupidez é deixar centenas de milhares de pessoas, ou mesmo milhões, entrar na Europa sem controlo, quando toda a gente, europeus e migrantes, vê que eles não vão conseguir encontrar aqui o que esperavam", afirmou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, também ameaçou com ações legais contra os países que recusem aceitar refugiados ao abrigo do programa de quotas do bloco europeu, mencionado especificamente a Hungria e a Eslováquia.

Szijjarto, membro do Governo conservador de Viktor Orban, acusou os políticos estrangeiros de "fazerem chantagem para trazer mais migrantes para a Europa, e depois distribuí-los através de um sistema de quotas obrigatórias".

De acordo com o plano para distribuir 160 mil refugiados e migrantes na União Europeia, Eslováquia e Hungria devem acolher 2.300 pessoas cada. Mas o plano, desenhado em setembro, está a avançar lentamente, com várias dificuldades para ser posto em prática.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.