Guiné-Bissau. Eleições marcadas pelo civismo e forte participação

Comissão eleitoral estima que 70% dos eleitores inscritos exerceram o seu direito de voto

Os guineenses votaram este domingo. E, mais uma vez, as eleições legislativas decorreram de forma ordeira e com civismo, com a convicção que é desta vez que o país vai deixar para trás episódios como golpes de Estado e a luta fraticida entre as principais forças políticas para o controlo dos recursos económicos e financeiros de Estado. Entre os eleitores e os dirigentes políticos, a opinião é quase unânime: este domingo abriu-se um novo ciclo de mudança política e institucional.

Nas assembleias de votos e nos cafés não se fala de outra coisa que não seja de um dia histórico. Nas filas de assembleias de voto ouvia-se dizer que, finalmente, tinha chegado o dia de o povo poder fazer justiça eleitoral e pronunciar-se sobre as constantes crises que fustigam a pátria de Amílcar Cabral.

Assim, depois de dois adiamentos, finalmente os 761.676 eleitores guineenses foram chamados às urnas, quer no país e quer na diáspora, para elegerem os 102 deputados que compõem o seu parlamento. Às 07.00 a maioria já estava em filas nas assembleias de voto de Bissau para exercer os seus direitos cívicos. "É hora de votar para acabar com a instabilidade política governativa que o país atravessou nesta décima lesgislatura que agora termina", disse ao DN o jovem Marinando Nhanguan.

Este sentimento de satisfação e de mudança não é exclusivo dos jovens que querem que este escrutínio seja uma mudança de página na Guiné-Bissau. O próprio Presidente da República, José Mario Vaz, disse estar satisfeito e muito feliz com a concretização do processo eleitoral (os resultados são revelados na terça-feira).

"Estou muito feliz por ter estado na Presidência da Guiné-Bissau durante cinco anos em que ninguém foi perseguido, espancado, e em que não houve golpe de estado e a Guiné-Bissau se transformou em campeã da liberdade de expressão e de imprensa", explicou José Mário Vaz, pedindo à imprensa guineense e internacional para testemunhar esta nova imagem do país.

"Estou muito feliz por ter estado na Presidência da Guiné-Bissau durante cinco anos em que ninguém foi perseguido", disse o presidente José Mário Vaz

Por seu turno, o chefe do governo, Aristides Gomes, mostrou-se emocionado por ter conseguido levar a bom porto o processo de recenseamento eleitoral e, assim, concretizar este domingo a tão sonhada data para os guineenses irem as urnas eleger o novo parlamento. "Como devem calcular, foi com muita emoção que acabei de votar, porque como sabem este processo foi difícil e de tensão permanente entre as principais forças políticas que concorreram às legislativas" declarou chefe do governo de Bissau, acrescentando: "Foi necessário um apadrinhamento da comunidade internacional para podermos ultrapassar a situação de permanente tensão que vivíamos entre os principais atores políticos nacionais".

O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, espera que desta vez a democracia vença para que o império da lei se possa impor e reinar de uma vez por toda na Guiné-Bissau. "Acredito na vitória do meu partido para virarmos a página da história da Guiné-Bissau, deixar no passado as instabilidades políticas governativas e apresentar ao mundo uma nova imagem do país", sublinhou.

Quanto à apreensão, dia 9, de 800 quilos de droga, Domingos Simões Pereira asseverou: "É uma mistura da vergonha nacional e de raiva". Na sua visão é raiva porque há uma necessidade urgente de acabar com o fenómeno de as redes de tráfico de droga usarem a Guiné-Bissau como plataforma para atingirem outros mercados. A seu ver "99 por centos dos guineenses nunca viram droga, mas o nome da Guiné-Bissau está permanentemente associado a este fenómeno".

O presidente da Comissão Nacional das Eleições (CNE) disse estar satisfeito porque as urnas abriram em todo território nacional à hora prevista (07.00) e sem incidentes. A CNE estima que mais 70% dos 761.676 dos eleitores votaram nas legislativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".