Cuomo e atriz Cynthia Nixon defrontam-se quinta-feira nas primárias de Nova Iorque

Várias sondagens dão vitória fácil a Andrew Cuomo

O candidato democrata a governador do estado de Nova Iorque será eleito na quinta-feira, num duelo entre o atual governador, Andrew Cuomo, já no segundo mandato, e a atriz Cynthia Nixon, que seria a primeira mulher no cargo.

Várias sondagens, incluindo a mais recente, cujos resultados foram revelados na segunda-feira, dão vitória fácil a Andrew Cuomo contra Cynthia Nixon nas eleições primárias.

Os dois ambicionam o cargo de governador de Nova Iorque e estão em posições desiguais em termos de experiência política: a ser eleito, Andrew Cuomo ocuparia um terceiro mandato, enquanto a atriz Cynthia Nixon concorre pela primeira vez a um cargo político, aspirando ser a primeira mulher a governar o estado.

A sondagem do Sienna College, realizada na semana passada, demonstra que Cuomo está à frente, com 63% das intenções de voto: quase 40 pontos percentuais acima de Cynthia Nixon, que reúne 22%.

Os dois confrontaram-se num debate televisivo a 29 de agosto, no qual Cuomo, de 60 anos, reforçou a sua popularidade.

Segundo a agência France-Presse, Cuomo, conhecido pela oposição ao Presidente dos EUA, Donald Trump, está a levar a cabo uma campanha de 30 milhões de dólares, enquanto a adversária Nixon rejeitou patrocínios à sua campanha.

Cynthia Nixon, de 52 anos, mãe de três filhos e abertamente bissexual, defensora da educação pública e dos direitos da comunidade LGBT, declara-se "socialista".

As redes sociais e o apoio dos fãs são os meios mais fortes de Cynthia Nixon, conhecida pelo papel de Miranda na série "O Sexo e a Cidade", para ganhar apoio nas eleições de quinta-feira.

Andrew Cuomo - há oito anos governador de um Estado de 20 milhões de habitantes e cujo pai, Mario Cuomo, foi governador de Nova Iorque entre 1983 e 1995 -- é ainda citado como possível candidato a Presidente dos EUA em 2020, pelo partido democrata.

O candidato conta com o apoio político declarado de Joe Biden, da senadora Kristen Gillibrand e da candidata democrata à presidência dos EUA em 2016, Hillary Clinton, que reuniu a maioria dos votos populares, mas perdeu contra Donald Trump devido ao método eleitoral do país.

Por seu lado, Cynthia Nixon tem o apoio do partido Working Families e da organização de Bernie Sanders, também candidato nas eleições de 2016.

Cynthia Nixon demonstrou o seu apoio a Alexandria Ocasio Cortez, jovem surpresa nas eleições do 14.º distrito de Nova Iorque, que concorre em novembro para o Congresso.

O partido democrata luta pela maioria no Congresso nas eleições gerais de 06 de novembro, para aumentar a oposição ao atual partido no poder, o partido republicano, que levou o magnata Donald Trump à presidência depois de oito anos do mandato democrata de Barack Obama.

As eleições primárias em Nova Iorque realizam-se habitualmente à terça-feira, mas este ano passaram para quinta-feira, 13 de setembro, para não coincidirem com o 17.º aniversário dos ataques de 11 de setembro e com o final da festa judia Rosh Hashanah.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.