Filho de Bolsonaro: "Diplomacia sem armas é como música sem instrumentos"

O deputado Eduardo Bolsonaro citou Frederico II, rei da Prússia no século XVIII.

Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente brasileiro, defendeu esta quarta-feira que "diplomacia sem armas é como música sem instrumentos" numa audiência da Comissão de Relações Exteriores da câmara baixa parlamentar do país.

"Diplomacia e defesa são faces da mesma moeda. Instrumentos de exercício da soberania nacional e da garantia da autonomia no nosso relacionamento externo. Não por acaso essa Casa [câmara baixa parlamentar] resolveu unir os temas afetos à diplomacia e à defesa numa única comissão à qual tenho orgulho de presidir", afirmou o filho de Jair Bolsonaro.

O deputado citou Frederico II, rei da Prússia no século XVIII, afirmando que "diplomacia sem armas é como música sem instrumentos".

Indicado para embaixador em Washington

Eduardo Bolsonaro é deputado federal e foi indicado pelo pai para assumir a embaixada do Brasil em Washington, capital dos Estados Unidos.

A indicação do filho do presidente brasileiro já foi aprovada pelo Governo norte-americano.

A nomeação, porém, tem gerado reações negativas e polémicas no Brasil porque Eduardo Bolsonaro não tem experiência na área da diplomacia. Críticos dizem que a escolha é um ato de nepotismo.

A lei brasileira determina que o presidente tem o poder de escolher quem considerar adequado para ocupar o cargo de embaixador, mas as indicações precisam ser aprovadas pelo Senado (câmara alta parlamentar), que tem poder de veto.

Enquanto Eduardo Bolsonaro discursava, a Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da câmara baixa parlamentar brasileira aprovou uma proposta que proíbe o nepotismo no Governo.

Segundo informações divulgadas pelo portal daquela casa parlamentar, o texto aprovado trata a prática como um ato de improbidade administrativa e fixa pena de prisão de três meses a um ano para quem não cumprir a regra.

A lei em discussão inclui nomeação de parentes, esposa ou marido na administração pública incluindo a nomeação de embaixadores, mas deixou de fora as nomeações para cargos políticos, como os de ministro ou secretário estadual.

O projeto será analisado agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da câmara baixa parlamentar do Brasil e depois seguirá para votação em plenário.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.