"Fumadora em série", "Charlie boy" e o "assustador Harry". Farage ataca família real

Líder do partido do Brexit lança ataques contra a Rainha Mãe, o herdeiro do trono e os duques de Sussex, Meghan e Harry. Só poupa a própria monarca Isabel II.

O líder do partido do Brexit, Nigel Farage, gozou com o duque e duquesa de Sussex, Harry e Meghan, atacou o príncipe Charles e apelidou a Rainha Mãe, a mãe de Isabel II, de "fumadora em série e bebedora excessiva de gin com peso a mais", num discurso numa conferência de partidos da extrema-direita na Austrália.

Farage até foi elogioso em relação à rainha Isabel II, considerando-a "uma mulher incrível e inspiradora", mas atacou grande parte da família real. "Quando se trata do seu filho, quando se trata de Charlie Boy e das mudanças climáticas, oh dear, oh dear, oh dear... A mãe dela, A Rainha Mãe, era uma bebedora de gin com excesso de peso, fumadora em série de cigarros e viveu até aos 101 anos de idade. Tudo o que posso dizer é que Charlie Boy está agora na faixa dos 70 anos... que a rainha viva muito muito tempo!", lançou, sobre o príncipe Carlos.

Mais tarde, quando questionado sobre as mulheres que optaram por não ter filhos por causa da crise climática, o líder do partido do Brexit comentou a decisão de Harry e Meghan de terem apenas dois filhos. O filho mais novo do príncipe Carlos sexto na linha de sucessão ao trono, e a mulher, a atriz americana que ganhou fama com a série Suits, anunciaram que só tencionam dar um irmão a Archie, o filho nascido em maio.

"Bem, se eu quero que a rainha viva durante muito tempo para impedir que Charlie Boy se torne rei, eu quero que Charlie Boy viva ainda mais e que William viva para sempre para impedir que Harry se torne rei", disparou.

"Ele é assustador! Ele era jovem, corajoso, barulhento, muito macho, metia-se em problemas, aparecia mal vestido em festas, bebia demais e causava todo o tipo de caos. Depois, torna-se um bravo cavalheiro britânico que fez o seu papel no Afeganistão. Mas depois conheceu Meghan Markle e caiu num penhasco. Disseram na última semana que Meghan e Harry terão apenas dois filhos e estamos todos a ignorar completamente o verdadeiro problema que a Terra enfrenta, que é o fato de a população do planeta estar a explodir e ninguém falar sobre isso. Se o príncipe Harry tem dois filhos é irrelevante, dado que agora existem 2,6 mil milhões de chineses e indianos na Terra", acrescentou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.