Falso alarme de míssil balístico lança pânico

"Ameaça de míssil balístico a caminho do Havai. Procurem imediatamente abrigo. Isto não é um simulacro"

Esta foi a mensagem que os havaianos receberam nos telemóveis. E que lançou o pânico. O caso foi reportado pelo Washington Post.

Depois das oito da manhã deste sábado - hora local - os habitantes do Havai receberam um aviso assustador: "Ameaça de míssil balístico a caminho do Havai. Procurem imediatamente abrigo. Isto não é um simulacro".

Só 20 minutos depois do falso alarme é que a Agência de Gestão de Emergência daquele estado norte-americano enviou nova mensagem com o desmentido. "A mensagem anterior foi enviada por engano".

E esta mensagem foi repetida:

There is no missile threat or danger to the State of Hawaii. Repeat. False Alarm

O caso obrigou mesmo ao reforço da mensagem. Políticos como o congressista Tulsi Gabbard insistiram no desmentido.

A marinha dos Estados Unidos também confirmou que os alertas foram enviados por engano. O porta-voz do comando militar do pacífico esclareceu que a "mensagem anterior foi enviada por erro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.