Falha de check-in provoca caos em aeroportos de vários países. Os nacionais também foram afetados

A TAP diz ao DN que os problemas técnicos foram resolvidos em cerca de 20 minutos. Aeroportos nacionais também foram afetados

Uma falha no sistema de check-in de várias companhias aéreas está a provocar o caos em vários aeroportos do mundo. Segundo o Telegraph, registam-se atrasos e problemas nos aeroportos de Gatwick e Heathrow, em Londres, no Charles de Gaulle, em Paris, Changi, Singapura, no aeroporto de Joanesburgo, África do Sul, de Zurique, na Suíça, de Melbourne e de Sydney, na Austrália, e de Washington DC, nos Estados Unidos.

A ANA - Aeroportos de Portugal confirmou ao DN que o sistema utilizado por algumas companhias aéreas para gerir o check-in, criado pela empresa Amadeus, registou problemas técnicos, mas estes foram resolvidos em cerca de 20 minutos.

A falha no sistema ocorreu por volta das 10:30, mas não houve confusão nem grandes filas de espera porque o problema foi resolvido em pouco tempo. "O check-in apenas demorou um bocadinho mais", explicou fonte oficial da ANA ao DN.

A TAP confirmou que o software internacional que usa para gerir operações de check-in falhou, mas cerca de 20 minutos depois foi restaurado. A falha foi sentida "em todos os aeroportos onde a TAP opera" mas não houve grandes perturbações.

Fonte oficial da TAP explicou que a empresa é uma "mera utilizadora" do sistema, tal como muitas outras companhias aéreas mundiais, e, como tal, não pode determinar o motivo do erro. "É como o Facebook. Quando o Facebook falha não se vai perguntar aos utilizadores porque falhou", explicou.

Segundo o Telegraph, também foi por volta das 10:30 desta quinta-feira que a falha ocorreu nos outros aeroportos.

Enquanto nos aeroportos portugueses a situação decorreu calmamente, em outros aeroportos, como os de Londres, as filas de espera começaram a formar-se, deixando os passageiros inquietos.

Nas redes sociais, várias pessoas mostram a confusão em diferentes aeroportos.

Segunda a Quartz, entre as companhias aéreas que usam o sistema que foi afetado estão a Luftansa, a British Airways, a Air France, a Qatar Airways e a Southwest Airlines.

A TAP garante que a falha já foi corrigida a nível mundial. "Não é possível que a falha tenha sido recuperada para uns e para outros não", disse fonte oficial da companhia aérea portuguesa.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.