Ex-financeiro e brexiteer: Stephen Barclay é o novo ministro do Brexit

O até agora secretário de Estado da Saúde, que votou para sair da União Europeia no referendo de 2016, é a escolha de May para substituir Dominic Raab.

Stephen Barclay, um antigo diretor do departamento contra a lavagem de dinheiro do Barclays Bank e até agora secretário de Estado da Saúde, é o novo ministro do Brexit.

Barclay é a escolha de Theresa May para substituir Dominic Raab, que se demitiu após a aprovação do acordo do Brexit negociado entre Londres e Bruxelas.

Barclay votou a favor do Brexit no referendo de 2016, ou seja é um dos chamados brexiteers. Antes de assumir o cargo de secretário de Estado da Saúde, foi secretário de Estado das Finanças.

A primeira-ministra britânica também já escolheu a sucessora de Esther McVey, que se demitiu da pasta do Trabalho e das Pensões. A escolhida é Amber Rudd, que já foi ministra do Interior.

A rainha Isabel II já aprovou ambas as nomeações, segundo o gabinete de May.

Segundo um porta-voz de May, citado pela BBC, o papel de Barclay vai ser "totalmente diferente do que aquele que desempenhou Raab", devendo focar-se mais na "preparação doméstica para o Brexit" e garantir que "a legislação do Brexit passa pelo Parlamento". Segundo a mesma fonte, será May que irá pessoalmente liderar as negociações com a UE sobre a futura relação entre Londres e Bruxelas.

May nomeou ainda mais três pessoas: Stpehen Hammond irá para o lugar agora deixado vago por Barclay na secretaria de Estado da Saúde. Já John Penrose é o novo secretário de Estado para a Irlanda do Norte e Kwasi Kwarteng ficará como secretário de Estado para o Brexit.

Os titulares destas últimas duas pastas - Shailesh Vara e Suella Braverman, respetivamente - demitiram-se na quinta-feira por discordarem do acordo de Brexit.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.