Detida na Grécia nadadora que ajudou a salvar 18 refugiados em 2015

Sara Mardini está detida na prisão de alta segurança Korydallos, acusada de contrabando e participação em organização criminosa. Defesa diz que estava apenas a ajudar numa ONG de apoio a refugiados.

As irmãs Sara e Yusra Mardini saltaram para as luzes da ribalta em 2015, quando deixaram a Síria como refugiadas. Para sair da Turquia e chegar à ilhas de Lesbos, na Grécia, as duas irmãs nadadoras puxaram um barco com 18 refugiados a bordo depois de o motor ter falhado durante a travessia.

Sendo ambas nadadoras de elite, Yusra acabou mesmo por participar nos Jogos Olímpicos do ano seguinte, no Rio de Janeiro, integrando a equipa de refugiados.

A história das duas irmãs, que foram viver para a Alemanha, vai servir de base para um próximo filme do diretor britânico Stephen Daldry. Contudo, agora voltaram a ser faladas mas não pelos melhores motivos.

Sara está detida há uma semana na prisão de alta segurança Korydallos, na Grécia, acusada de contrabando, espionagem e participação numa organização criminosa, crimes alegadamente cometidos desde que ela começou a trabalhar com uma organização não governamental de apoio aos refugiados na ilha de Lesbos. Segundo a lei grega, a jovem de 23 anos pode ser mantida sob custódia até ao julgamento até 18 meses.

"Ela está incrédula", disse a advogada Haris Petsalnikos, que solicitou a libertação. "As acusações são mais sobre criminalizar a ação humanitária. Sara nem estava aqui [Grécia] quando esses supostos crimes ocorreram, mas as acusações são sérias, talvez as mais sérias que algum agente humanitário já tenha enfrentado", frisou, citada pelo The Guardian.

"O que estamos realmente a ver são as autoridades gregas a utilizar Sara Mardini para enviar uma mensagem muito importante de que quem se voluntariar para o trabalhar de refugiados fá-lo por sua conta e risco", disse o advogado internacional de direitos humanos em Londres, Jonathan Cooper, também citado pelo jornal britânico.

Estima-se que 114 organizações não-governamentais e 7356 voluntários estejam sediados em Lesbos, segundo as autoridades gregas, que falam de "uma indústria" com mais de 10 mil refugiados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.