Crise económica pode voltar a colocar o Brasil no mapa da fome

Em 2016, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de pessoas voltaram a viver abaixo do limiar de pobreza

O diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, disse hoje, em Lisboa, que o crescimento económico é uma das formas para o Brasil não correr o risco de volta a integrar o mapa da fome.

"Eu tenho discutido muito isso (da possibilidade do Brasil voltar a integrar o mapa da fome, organizado pela FAO) e acompanhado, muito de perto, os números. O Brasil tem mostrado números muito ruins nos últimos meses (...). O crescimento é um caminho, poderá ajudar o Brasil a sair desta dificuldade neste momento", disse o brasileiro, eleito diretor-geral daquela agência da ONU em 2011.

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) falou aos jornalistas depois da sessão de encerramento da Reunião de Alto Nível sobre Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que se realizou entre segunda-feira e hoje na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O Brasil saiu do mapa da Fome (elaborado pela FAO desde 1990) pela primeira vez em 2014, quando 3% dos brasileiros sofriam de uma restrição alimentar severa. Um país com mais de 5% da população subalimentada entra para o mapa da FAO.

De acordo com o Banco Mundial, cerca de 28,6 milhões de brasileiros saíram da pobreza entre 2004 e 2014, mas também avalia que, em 2016, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de pessoas voltaram a viver abaixo do nível de pobreza.

José Graziano da Silva referiu, recentemente, aos meios de comunicação brasileiros que estes 2,5 a 3,6 milhões de pessoas fazem parte de uma população flutuante que vive em torno da linha da pobreza. São pessoas que não conseguiram vencer ainda a pobreza extrema.

"Agora aparece uma nova esperança com as projeções de crescimento para este ano de 2018 e para o próximo. O Brasil tem uma população muito jovem, então o país tem de crescer num ritmo maior em relação à taxa de crescimento da população jovem. Isso significa crescer, pelo menos, 2% ao ano, coisa que não acontece há três anos", referiu Graziano da Silva.

"O crescimento do desemprego preocupa-nos muito e principalmente, preocupa-nos os cortes dos programas sociais por dificuldade fiscal que o Governo enfrenta neste momento. Estas situações é que são a grande ameaça", indicou o diretor-geral da FAO, que foi um dos principais elementos da elaboração do programa Fome Zero, lançado no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011), com o objetivo do combate à fome e as suas causas estruturais.

No Brasil em 2003, existiria cerca de 44 milhões de pessoas ameaçadas pela fome.

Hoje, o programa do Governo de Lula da Silva chama-se Brasil Sem Miséria -- criado em 2011 ainda no Governo de Dilma Rousseff (2011-2016) - e continua a implementar uma série de medidas do Fome Zero, como o Bolsa Família (programa de transferência de renda para famílias carenciadas).

Entretanto, com a crise económica que abala o Brasil, o Governo do Presidente Michel Temer fez cortes significativos nos programas sociais.

Na sessão de encerramento da Reunião de Alto Nível sobre Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável na CPLP foi assinada pelos membros de cada país do bloco lusófono, e também por José Graziano da Silva, a Carta de Lisboa pela Agricultura Familiar na CPLP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...