Crise económica pode voltar a colocar o Brasil no mapa da fome

Em 2016, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de pessoas voltaram a viver abaixo do limiar de pobreza

O diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, disse hoje, em Lisboa, que o crescimento económico é uma das formas para o Brasil não correr o risco de volta a integrar o mapa da fome.

"Eu tenho discutido muito isso (da possibilidade do Brasil voltar a integrar o mapa da fome, organizado pela FAO) e acompanhado, muito de perto, os números. O Brasil tem mostrado números muito ruins nos últimos meses (...). O crescimento é um caminho, poderá ajudar o Brasil a sair desta dificuldade neste momento", disse o brasileiro, eleito diretor-geral daquela agência da ONU em 2011.

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) falou aos jornalistas depois da sessão de encerramento da Reunião de Alto Nível sobre Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que se realizou entre segunda-feira e hoje na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O Brasil saiu do mapa da Fome (elaborado pela FAO desde 1990) pela primeira vez em 2014, quando 3% dos brasileiros sofriam de uma restrição alimentar severa. Um país com mais de 5% da população subalimentada entra para o mapa da FAO.

De acordo com o Banco Mundial, cerca de 28,6 milhões de brasileiros saíram da pobreza entre 2004 e 2014, mas também avalia que, em 2016, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de pessoas voltaram a viver abaixo do nível de pobreza.

José Graziano da Silva referiu, recentemente, aos meios de comunicação brasileiros que estes 2,5 a 3,6 milhões de pessoas fazem parte de uma população flutuante que vive em torno da linha da pobreza. São pessoas que não conseguiram vencer ainda a pobreza extrema.

"Agora aparece uma nova esperança com as projeções de crescimento para este ano de 2018 e para o próximo. O Brasil tem uma população muito jovem, então o país tem de crescer num ritmo maior em relação à taxa de crescimento da população jovem. Isso significa crescer, pelo menos, 2% ao ano, coisa que não acontece há três anos", referiu Graziano da Silva.

"O crescimento do desemprego preocupa-nos muito e principalmente, preocupa-nos os cortes dos programas sociais por dificuldade fiscal que o Governo enfrenta neste momento. Estas situações é que são a grande ameaça", indicou o diretor-geral da FAO, que foi um dos principais elementos da elaboração do programa Fome Zero, lançado no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2011), com o objetivo do combate à fome e as suas causas estruturais.

No Brasil em 2003, existiria cerca de 44 milhões de pessoas ameaçadas pela fome.

Hoje, o programa do Governo de Lula da Silva chama-se Brasil Sem Miséria -- criado em 2011 ainda no Governo de Dilma Rousseff (2011-2016) - e continua a implementar uma série de medidas do Fome Zero, como o Bolsa Família (programa de transferência de renda para famílias carenciadas).

Entretanto, com a crise económica que abala o Brasil, o Governo do Presidente Michel Temer fez cortes significativos nos programas sociais.

Na sessão de encerramento da Reunião de Alto Nível sobre Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável na CPLP foi assinada pelos membros de cada país do bloco lusófono, e também por José Graziano da Silva, a Carta de Lisboa pela Agricultura Familiar na CPLP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.