Coreia do Sul propõe à Coreia do Norte desfile conjunto nos Jogos Olímpicos

A acontecer seria uma espécie de trégua olímpica, dado que ambos os países se encontram oficialmente em guerra.

A Coreia do Sul propôs à Coreia do Norte que ambas as delegações desfilem juntas na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de PyeongChang2018, disse hoje o ministro-adjunto dos Desportos sul-coreano, Roh Tae-Kang.

"Nós fizemos várias propostas [à Coreia do Norte], que incluem a participação com uma equipa feminina mista de hóquei no gelo e o desfile conjunto no Estádio Olímpico", disse Roh Tae-Kang em declarações à agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Um desfile conjunto das duas Coreias desavindas na cerimónia de abertura de PyeongChang2018, em 09 de fevereiro, a cerca de 80 quilómetros da fronteira com o Norte, é encarado como uma espécie de trégua olímpica, dado que ambos os países se encontram oficialmente em guerra.

As duas Coreias já desfilaram juntas nas cerimónias de abertura dos Jogos Olímpicos de Sydney2000 e Atenas2004, bem como nos Jogos Olímpicos de Inverno Turim2006, após o Norte ter boicotado a presença nos Jogos Olímpicos de Seul1988.

Representantes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte reuniram-se na terça-feira pela primeira vez desde dezembro de 2015. Nessa reunião, a Coreia do Norte concordou em enviar uma delegação à Coreia do Sul para os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, a decorrer de 09 a 25 de fevereiro.

O governo de Seul propôs a realização na segunda-feira de nova reunião para discutir os detalhes da participação da Coreia do Norte em PyeongChang2018, a decorrer na denominada aldeia da trégua de Panmunjom, localizado na militarizada fronteira inter-coreana, e que já recebeu o encontro de terça-feira.

A reunião de trabalho tem como objetivo determinar alguns detalhes da participação da Coreia do Norte, como os nomes dos atletas e dirigentes, a forma de deslocação para a Coreia do Sul, ponderar a necessidade de um acordo militar e que despesas seriam cobertas por ambas as partes.

Entretanto, o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, anunciou já que se irá reunir em 20 de janeiro com os representantes da Coreia do Sul e do Norte para decidir sobre a participação norte-coreana nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang2018.

Num comunicado divulgado quarta-feira, O COI explica que Thomas Bach propôs uma reunião quadripartida para decidir a participação dos desportistas do Comité Olímpico da Coreia do Norte em PyeongChang2018,

Na reunião, que será presidida por Thomas Bach, participará também o Comité Organizador da competição, além dos presidentes dos Comités olímpicos nacionais da Coreia do Norte e da Coreia do Sul.

O anúncio da reunião ocorre um dia depois de Thomas Bach ter expressado a sua satisfação pelos gestos de aproximação protagonizadas pelas duas Coreias, em particular pelas propostas para permitir a participação norte-coreana nos próximos Jogos Olímpicos de Inverno.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.