Coreia do Sul propõe à Coreia do Norte desfile conjunto nos Jogos Olímpicos

A acontecer seria uma espécie de trégua olímpica, dado que ambos os países se encontram oficialmente em guerra.

A Coreia do Sul propôs à Coreia do Norte que ambas as delegações desfilem juntas na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de PyeongChang2018, disse hoje o ministro-adjunto dos Desportos sul-coreano, Roh Tae-Kang.

"Nós fizemos várias propostas [à Coreia do Norte], que incluem a participação com uma equipa feminina mista de hóquei no gelo e o desfile conjunto no Estádio Olímpico", disse Roh Tae-Kang em declarações à agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Um desfile conjunto das duas Coreias desavindas na cerimónia de abertura de PyeongChang2018, em 09 de fevereiro, a cerca de 80 quilómetros da fronteira com o Norte, é encarado como uma espécie de trégua olímpica, dado que ambos os países se encontram oficialmente em guerra.

As duas Coreias já desfilaram juntas nas cerimónias de abertura dos Jogos Olímpicos de Sydney2000 e Atenas2004, bem como nos Jogos Olímpicos de Inverno Turim2006, após o Norte ter boicotado a presença nos Jogos Olímpicos de Seul1988.

Representantes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte reuniram-se na terça-feira pela primeira vez desde dezembro de 2015. Nessa reunião, a Coreia do Norte concordou em enviar uma delegação à Coreia do Sul para os Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, a decorrer de 09 a 25 de fevereiro.

O governo de Seul propôs a realização na segunda-feira de nova reunião para discutir os detalhes da participação da Coreia do Norte em PyeongChang2018, a decorrer na denominada aldeia da trégua de Panmunjom, localizado na militarizada fronteira inter-coreana, e que já recebeu o encontro de terça-feira.

A reunião de trabalho tem como objetivo determinar alguns detalhes da participação da Coreia do Norte, como os nomes dos atletas e dirigentes, a forma de deslocação para a Coreia do Sul, ponderar a necessidade de um acordo militar e que despesas seriam cobertas por ambas as partes.

Entretanto, o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, anunciou já que se irá reunir em 20 de janeiro com os representantes da Coreia do Sul e do Norte para decidir sobre a participação norte-coreana nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang2018.

Num comunicado divulgado quarta-feira, O COI explica que Thomas Bach propôs uma reunião quadripartida para decidir a participação dos desportistas do Comité Olímpico da Coreia do Norte em PyeongChang2018,

Na reunião, que será presidida por Thomas Bach, participará também o Comité Organizador da competição, além dos presidentes dos Comités olímpicos nacionais da Coreia do Norte e da Coreia do Sul.

O anúncio da reunião ocorre um dia depois de Thomas Bach ter expressado a sua satisfação pelos gestos de aproximação protagonizadas pelas duas Coreias, em particular pelas propostas para permitir a participação norte-coreana nos próximos Jogos Olímpicos de Inverno.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.