Christchurch: a criança salva das balas pelo pai

Zulfirman Syah atirou-se para cima do filho, Averroes, de 2 anos, para o proteger e salvar numa das mesquitas atacadas pelo terrorista na cidade neozelandesa. O pai tem uma longa recuperação pela frente.

Naquele instante em que as balas começaram a semear o terror e a morte Zulfirman Syah só teve um instinto: atirou-se para cima do filho, Averroes, de 2 anos, para o proteger e salvar. E salvou. O pai ficou o tempo suficiente sobre o filho, sendo atingido por várias balas, até que o terrorista foi desarmado por um zelador do centro islâmico de Linwood, em Christchurch, Nova Zelândia.

No ataque a duas mesquitas, nesta cidade da Ilha do Sul daquele país, um terrorista de extrema-direita australiano matou pelo menos 49 pessoas e feriu outras 48.

Segundo o Sunday Times , que conta este domingo a história deste pai herói, Averroes sobreviveu e, no final, a criança debruçou-se sobre o pai que estava ferido.

Como descreve o jornal britânico, num vídeo filmado depois do ataque, vê-se Averroes a subir para o peito de Zulfirman, no que poderia ser uma brincadeira de pai e filho não fosse o cenário em volta: vítimas espalhadas por um tapete salpicado de sangue numa sala cheia de gritos de dor. Zulfirman, conhecido como Jul, tinha sido atingido muitas vezes e agarrava-se à vida.

"O meu marido protegeu o nosso filho durante o ataque, o que fez com que ele recebesse a maior parte das balas", revelou a mãe de Averroes, Alta Marie, uma americana de 33 anos. "Ele [pai] está em condição estável após uma extensa cirurgia exploratória e reconstrutiva a que foi submetido. [O seu] caminho de recuperação será longo."

Já a criança, que também tem passaporte americano, foi atingida na perna e na nádega por estilhaços, possivelmente de balas que atingiram o pai, mas os seus ferimentos são menores. "Ele está a recuperar bem e tem estado alegre", contou a mãe, uma professora de inglês que cozinhava em casa quando recebeu um telefonema do marido ferido.

Zulfirman Syah chegou há dois meses à Nova Zelândia, vindo com a família da Indonésia. Uma página de angariação de fundos criada por um amigo descreveu-o como um "artista talentoso e trabalhador". O amigo acrescentou: "Eles sentiram-se em paz na Nova Zelândia... vamos ajudar a restaurar a paz e neutralizar este horrível ato de violência."

A história da família de Jul, Alta Marie e Averroes provou ser um raro momento de alívio num dia de luto e desespero, sintetiza o Sunday Times. Entre as vítimas cujos nomes foram divulgados no sábado estão o de Mucad Ibrahim, de 3 anos, e Abdullahi Dirie, de 4 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.