18 independentistas catalães vão sentar-se no banco dos réus

Supremo Tribunal espanhol decidiu esta sexta-feira levar a julgamento 18 independentistas catalães na sequência da organização do referendo ilegal sobre a independência da Catalunha a 1 de outubro de 2017. Os acusados, entre os quais o ex-vice-presidente da Generalitat, Oriol Junqueras, deverão sentar-se no banco dos réus previsivelmente no início de 2019

O Supremo Tribunal espanhol deu esta quinta-feira por concluída a fase de instrução do processo relacionado com a tentativa de autodeterminação da Catalunha em outubro de 2017 e decidiu avançar com o julgamento de 18 líderes independentistas.

A deliberação significa que o ex-vice-presidente do governo regional catalão (também conhecido como Generalitat) Oriol Junqueras e outros 17 líderes independentistas irão sentar-se no banco dos réus nos próximos meses, previsivelmente no início de 2019, por terem declarado a independência da Catalunha de forma unilateral.

Em causa estão os crimes de rebelião, peculato e desobediência.

O Supremo Tribunal espanhol deu agora às várias partes da acusação, nomeadamente ao Ministério Público espanhol, um prazo de cinco dias para formalizarem os crimes cometidos e as penas que pedem para cada um dos acusados.

Nove dos acusados encontram-se atualmente em prisão preventiva, como é o caso de Oriol Junqueras e de outros cinco ex-membros do executivo regional catalão, e deverão ser julgados por rebelião, crime que incorre numa pena de prisão até 25 anos.

A antiga presidente do Parlamento catalão Carme Forcadell e dois ex-presidentes de importantes organizações independentistas (Jordi Sanchez e Jordi Cuixart) também integram este grupo de acusados.

Numa entrevista que deu, por e-mail, ao DN, publicada no dia 16, Cuixart disse que o facto de estar preso ainda fez com que as suas convicções ficassem reforçadas. "Acima de tudo eu ganhei consciência sobre mim mesmo e a força das nossas decisões e das nossas ações. As minhas convicções democráticas ficaram fortalecidas. O despropósito da repressão contra os cidadãos levou-me a estar mais preparado hoje do que há um ano para defender, até às últimas consequências, as minhas profundas convicções democráticas e pacifistas. Eu devo isso a um ano na cadeia"

Os membros do antigo governo catalão deverão ser julgados igualmente por peculato, enquanto outros líderes separatistas deverão ser julgados por desobediência.

O antigo presidente do executivo catalão Carles Puigdemont, figura central da tentativa de autodeterminação da Catalunha e atualmente exilado na Bélgica, não irá figurar entre os réus, uma vez que o sistema judicial espanhol não contempla a possibilidade de um julgamento à revelia.

A 1 de outubro de 2017, o governo regional catalão (Generalitat) então liderado por Carles Puigdemont, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo contestado e considerado ilegal pela justiça espanhola.

A consulta pública ficou marcada pela violência exercida pelas forças policiais que tentaram impedir a realização do ato.

A votação teve uma taxa de participação de 43%, dos quais 92% votaram "Sim" à pergunta "Quer que a Catalunha seja um estado independente em forma de república?".

Puigdemont e a sua equipa governativa decidiram avançar no parlamento catalão, a 27 de outubro de 2017, com a declaração unilateral de independência de uma "República catalã".

O governo espanhol reagiu imediatamente e destituiu o executivo regional catalão. Também dissolveu o parlamento regional e colocou a região sob tutela dos serviços centrais de Madrid.

O executivo espanhol convocou também eleições regionais a 21 de dezembro de 2017, escrutínio que permitiu aos independentistas manter uma maioria parlamentar absoluta.

Após vários avanços e recuos judiciais e políticos, o independentista Quim Torra tomou posse em Barcelona, em meados de maio último, como presidente do governo regional da Catalunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.