Casal despe-se no Museu do Prado em Madrid

Homem e mulher posaram frente aos quadros de Adão e Eva porque "são uma instituição da ideia de género"

Pelas 11:00 da passada quinta-feira, em Madrid, Adrián Pino e Jet Brühl despiram-se em pleno Museu do Prado. O casal conseguiu completar a "missão" ao fim de dois anos: segundo fontes do museu, Pino e Brühl andavam a tentar o feito há muito tempo, mas nunca tinham tido tempo de se "despirem completamente".

Conta o jornal espanhol El Mundo que os dois foram levados pela segurança da galeria do museu até à polícia, mas o objetivo estava cumprido e foi fotografado pelos visitantes do museu, surpreendidos pelo casal sem roupa.

Adrián Pino e Jet Brühl, nus, estiveram ainda durante alguns minutos frente aos quadros de Adão e Eva pintados pelo renascentista alemão Albrecht Dürer. A mulher partilhou a imagem no Instagram.

"Preocupa-nos porque incomoda outros e podem sentir-se ofendidos, mas pouco mais podemos fazer", disse também fonte do Museu do Prado, que proíbe os visitantes, por exemplo, de entrarem descalços ou com comida.

Os autores da performance, que pretendia destruir "toda uma série de ideias e construções sociais" que consideram ridículas, foram identificados pela polícia e só se despiram quando não estava nenhum menor na sala. Explicaram no Youtube que escolheram posar em frente das obras de Dürer porque são "uma instituição da ideia de género".

No vídeo, referem também que queriam apenas passar um bom momento e divertir-se, porque a sociedade é "aborrecida".

"Despimo-nos com a particularidade de eu me mostrar como uma mulher, com a zona genital escondida", afirmou Adrián Pino. Por seu lado, Jet Brühl explica que é "biologicamente uma mulher", mas que não o é "realmente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.