Carros de luxo esmagados nas Filipinas sob olhar atento de Duterte

Presidente filipino supervisionou a destruição de duas dezenas de automóveis, avaliados num milhão de dólares, que tinham sido importados ilegalmente para o país

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, assistiu na terça-feira em Manila à destruição de 20 automóveis de luxo, cujo valor estimado ultrapassa o milhão de dólares - cerca de 800 mil euros - e que tinham sido apreendidos pelas autoridades alfandegárias por terem sido ilegalmente importados para o país.

À medida que um porta-voz ia anunciado o ano e a marca dos veículos - Pajero, BMW, Audi, Mercedes ou Jaguar - uma máquina escavadora ia passando por cima dos automóveis, esmagando-os até ficarem completamente destruídos.

A imprensa local avançou na semana passada que os importadores estavam a leiloar carros levados ilegalmente para as Filipinas para evitar pagar os custos à alfândega, ação que terá motivado a medida drástica da presidência. Recorde-se que Francisco Duterte não tem poupado recursos para mostrar que leva a sério a luta contra a corrupção e o consumo de drogas, tendo sido alvo de críticas por parte da comunidade internacional por recorrer à força e incentivar as forças de segurança a matar traficantes e consumidores de estupefacientes.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".