Lulu foi despedida de programa de deteção de explosivos da CIA

Lulu teve um final feliz, pois foi adotada pelo seu treinador e tem agora uma família

A CIA anunciou na quarta-feira que despediu uma jovem cadela que no programa de deteção de explosivos K9. A justificação? Lulu não mostrava interesse ou jeito para o trabalho.

"Todos os cães, assim como a maioria dos estudantes humanos, têm bons dias e maus dias ao aprender algo novo. O mesmo acontece durante as nossas aulas dos cachorros", escreveu a CIA num comunicado no seu site.

Lulu é uma cadela labrador de cor preta que pertencia ao grupo de cães do programa K9, que deixou bem claro que não estava interessada em procurar explosivos.

"Mesmo quando os treinadores a motivavam com comida e jogos para procurar, ela claramente não estava a divertir-se", explicou a CIA.

"A principal preocupação dos nossos treinadores é o bem-estar físico e mental dos nosso cães, então tomaram a decisão extremamente difícil de fazer o melhor para a Lulu e deixá-la sair do programa", anunciou.

A CIA explicou que quando um cão sai do seu programa de treino a família do seu treinador tem a hipótese de o adotar. Foi o caso de Lulu - depois de algumas semanas juntos o treinador optou por não se separar dela e, por isso, levou-a para casa.

Lulu é agora uma cadela feliz que passa os dias a correr atrás de esquilos e coelhos no quintal e a brincar com os seus novos donos e como o seu novo amigo de quatro patas, Harry.

"Vamos perder Lulu, mas esta foi a decisão certa para ela. Desejamos-lhe o melhor na sua nova vida", concluiu a CIA no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.