Bruxelas responde a Salvini: "Aprovámos em abril plano de 8,5 mil milhões para infraestruturas" em Itália

Christian Spahr, porta-voz da Comissão Europeia, respondeu esta quinta-feira às acusações feitas pelo vice-primeiro-ministro italiano e líder do partido Liga na sequência do colapso da ponte Morandi em Génova

"Acreditamos que chegou o momento de deixar algumas coisas claras", começou por dizer Christian Spahr, porta-voz da Comissão Europeia, na conferência de imprensa diária, em Bruxelas, esta quinta-feira.

No período de 2014-2010, Itália tem "2,5 mil milhões de euros de fundos Estruturais e de Coesão para investir na sua rede de infraestruturas, como sejam estradas ou vias ferroviárias", declarou o porta-voz, sublinhando que Bruxelas aprovou em abril um plano de investimento italiano na ordem dos 8,5 mil milhões, destinado a infraestruturas, "incluindo em Génova".

O esclarecimento surgiu depois de o vice-primeiro-ministro, ministro do Interior e líder da Liga, Matteo Salvini, ter apontado o dedo à UE na sequência do colapso de uma parte da ponte Morandi, em Génova, na terça-feira. A tragédia fez 39 mortos, três dos quais são crianças.

"Se não houvesse constrangimentos externos que nos impedem de gastar mais em estradas seguras, escolas... então realmente devemos questionar se vale a pena seguir estas regras. Não pode haver negociação que ligue regras fiscais à segurança dos italianos", afirmou Salvini, cujo governo quer excluir certos investimentos dos cálculos do défice.

"À luz das regras orçamentais acordadas, os países têm liberdade para fixar políticas prioritárias específicas. Por exemplo, desenvolvimento e manutenção das infraestruturas. De facto, a UE incentivou Itália a investir nas infraestruturas", esclareceu esta quinta-feira Christian Spahr.

Numa altura em que o ministro das Infraestruturas e Transportes, Danilo Toninelli, do Movimento 5 Estrelas, exigiu a demissão dos responsáveis da concessionária Autostrade per l'Italia, o porta-voz da Comissão afirmou: "No que toca à responsabilidade sobre segurança da infraestrutura, neste caso gerida por um operador privado, a concessionária é responsável pela segurança da estrada".

Liga e 5 Estrelas estão no governo de Itália desde junho. Em 2013, o 5 Estrelas de Génova classificara a possibilidade de um colapso da ponte Morandi como uma fábula. Inaugurada em 1967, o viaduto sempre suscitou críticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.