Donald Trump critica UE por estar a ser "dura com o Reino Unido"

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou a União Europeia de estar a ser "dura com o Reino Unido" no processo do Brexit. Disse ainda que a UE está a ser um "brutal parceiro comercial" e que isso "vai mudar".

"É uma pena que a União Europeia esteja a ser tão dura com Reino Unido e com o Brexit", escreveu o presidente dos EUA, Donald Trump, na rede social Twitter, horas depois de a União Europeia e o Reino Unido terem acordado uma nova data limite para o Brexit, com os 27 a concederem a Londres uma extensão até 31 de outubro, que a primeira-ministra britânica aceitou.

O Presidente dos Estados Unidos criticou ainda a postura da UE relativamente ao comércio com os Estados Unidos, apelidando-a de "brutal parceiro comercial". Essa postura "vai mudar", sublinhou.

No início da semana, Donald Trump já tinha criticado a União Europeia, dizendo que esta "abusa dos EUA há muito tempo, no comércio".

Trump acrescentou que "isso tem de parar em breve", voltando a fazer a ameaça de introduzir taxas adicionais aos produtos oriundos do espaço comunitário europeu, como tem acontecido nas relações comerciais entre a China e os EUA.

Em julho de 2018, a União Europeia e os Estados Unidos acordaram uma trégua nas questões comerciais, após meses de crescentes tensões provocadas pela intenção de Washington de impor tarifas alfandegárias ao aço e ao alumínio.

Nessa trégua, as duas potências comprometeram-se a manter conversações, preservando a situação de "taxas nulas".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.