Donald Trump critica UE por estar a ser "dura com o Reino Unido"

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou a União Europeia de estar a ser "dura com o Reino Unido" no processo do Brexit. Disse ainda que a UE está a ser um "brutal parceiro comercial" e que isso "vai mudar".

"É uma pena que a União Europeia esteja a ser tão dura com Reino Unido e com o Brexit", escreveu o presidente dos EUA, Donald Trump, na rede social Twitter, horas depois de a União Europeia e o Reino Unido terem acordado uma nova data limite para o Brexit, com os 27 a concederem a Londres uma extensão até 31 de outubro, que a primeira-ministra britânica aceitou.

O Presidente dos Estados Unidos criticou ainda a postura da UE relativamente ao comércio com os Estados Unidos, apelidando-a de "brutal parceiro comercial". Essa postura "vai mudar", sublinhou.

No início da semana, Donald Trump já tinha criticado a União Europeia, dizendo que esta "abusa dos EUA há muito tempo, no comércio".

Trump acrescentou que "isso tem de parar em breve", voltando a fazer a ameaça de introduzir taxas adicionais aos produtos oriundos do espaço comunitário europeu, como tem acontecido nas relações comerciais entre a China e os EUA.

Em julho de 2018, a União Europeia e os Estados Unidos acordaram uma trégua nas questões comerciais, após meses de crescentes tensões provocadas pela intenção de Washington de impor tarifas alfandegárias ao aço e ao alumínio.

Nessa trégua, as duas potências comprometeram-se a manter conversações, preservando a situação de "taxas nulas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.