58%: se a segunda volta fosse hoje, Bolsonaro vencia

Primeira pesquisa Datafolha mostra o candidato do Partido Social Liberal (PSL) destacado, subindo a votação em mais de 10 pontos, relativamente à primeira volta das eleições brasileiras. Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), arranca para a segunda volta com 42% das intenções de voto

Ainda agora começou o sprint final, mas as perspetivas não alteram muito a votação dos brasileiros na primeira volta das presidenciais de domingo. Se a segunda volta fosse hoje, Jair Bolsonaro voltaria a vencer destacado, apesar da subida considerável de Fernando Haddad: 58% para o candidato do PSL (foram 46% na votação de domingo) contra 42% para o do PT, que junta aos seus 29% da primeira volta os votos de outros candidatos que já não estão na corrida.

Ou seja, na primeira sondagem realizada pela Datafolha depois da primeira volta, ambos os candidatos sobem mais de 10 pontos percentuais. O que potencia para dia 28 um resultado semelhante ao do último domingo: Haddad fica mais próximo dos 50% (+13 pp), mas Bolsonaro parece também conquistar muitos novos votos (+12 pp). É o que revela o resultado da pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, noticiado pela Folha de São Paulo, que utiliza o critério dos votos válidos, ou seja, exclui votos brancos nulos e indecisos.

Mesmo incluídos todos os votos a tendência não se altera, embora o resultado saia um pouco diluído: 49% para Bolsonaro, 36% para Haddad -- há cerca de 6% de indecisos, segundo a Folha, que noticia este inquérito a mais de 3 mil pessoas em 227 municípios do Brasil. Com votos a chegar de todo o Brasil, Bolsonaro voltaria a só não ganhar no Nordeste, que pertence ao PT.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".