As férias no Irão e a namorada refugiada do ministro anti-imigração abalam Oslo

O futuro político de Per Sandberg está em risco e a primeira-ministra, à frente de um governo de coligação, está a ser pressionada para o demitir, arriscando abalar o governo. Ministro recusa afastar-se, reiterando que a visita foi privada.

Se tem conta no Facebook ou no Instagram e está de férias, o mais provável é que já tenha partilhado com os amigos alguma fotografia em que revela o que tem estado a fazer e o destino que escolheu para o seu descanso de verão. No caso do ministro das Pescas norueguês, Per Sandberg, as fotos partilhadas pela namorada nas redes sociais tornaram-se um problema que lhe pode custar não apenas o emprego, mas deixar todo o governo em risco.

O problema do ministro começa com o destino que escolheu para as férias: o Irão. Isto porque viajou sem avisar as autoridades norueguesas, como está previsto nas regras do governo, especialmente tendo optado por fazer turismo num país que Oslo critica pela situação de direitos humanos (ainda aplica, por exemplo, a pena de morte).

"Apesar de achar que há lugares bonitos no Irão e de ter conhecido muitas pessoas maravilhosas, isso não significa que eu apoio o regime iraniano", defendeu-se o ministro, reiterando que a visita foi pessoal.

Mas, para cúmulo, Sandberg admitiu que foi para as férias com o telemóvel dado pelo governo - obrigando os responsáveis de segurança a confiscá-lo agora que já está de regresso à Noruega, por receio de que possa ter sido alvo de piratas informáticos e tenha posto informações confidenciais em risco.

O ministro reconheceu entretanto que já tinha feito o mesmo noutra viagem à China, onde fora promover as exportações de marisco norueguês, quando a regra nas idas a países considerados de risco é receber um novo computador e telemóvel, que são devolvidos à chegada.

A namorada

Mas essas duas falhas até podiam ser perdoadas não fosse o ministro de 58 anos, que pertence ao Partido do Progresso (direita) e é conhecido pelas posições anti-imigração, ter viajado com a nova namorada: a refugiada Bahareh Letnes, de 28 anos, que tem dupla nacionalidade iraniana e norueguesa.

Nascida no Irão, Letnes foi ainda jovem para a Noruega, mas por três vezes as autoridades rejeitaram o seu pedido de asilo e deportaram-na à força para o Irão. Contudo, os iranianos devolveram-na à Noruega, que finalmente lhe autorizou a residência em 2008, alegando que ela era jovem e arriscava ser forçada a casar-se no seu país natal. Neste processo, recebeu também o passaporte iraniano. Letnes foi eleita Miss Irão em 2013.

O governo defendeu, ainda há três anos, que fosse revogada a autorização de residência a quem tem o estatuto de asilado mas viaja de férias ao país natal. Após esta polémica, o ministro diz que a namorada não está abrangida, porque já é cidadã norueguesa.

O governo norueguês é, desde 2013, fruto da coligação de direita entre o Partido Conservador, da primeira-ministra Erna Solberg, e o Partido do Progresso, do qual Sandberg é o número dois. Conta com o apoio parlamentar do Partido Liberal e do Partido Democrata Cristão. Desde os partidos do governo até aos da oposição, todos têm criticado o ministro, e há pressões para o demitir. Está previsto que tenha de enfrentar a comissão disciplinar do Parlamento, sendo certo que a primeira-ministra também tem que responder aos deputados.

Outras polémicas

Desde que as férias do ministro vieram a público que os jornalistas têm descoberto outros problemas - e está agora em questão a sua ligação ao Irão. Sondberg e a namorada estiveram, por exemplo, na festa da Independência na embaixada do Irão, com o ministro a assistir não na condição de cidadão particular, mas de membro do governo - mais uma vez sem avisar.

Além disso, apesar de alegar que a visita foi de carácter privado e não houve contacto com o governo, Sandberg teve mais tarde de admitir que as autoridades iranianas tentaram marcar uma reunião. Ele recusou por estar precisamente de férias e não a título oficial - já visitou o Irão em trabalho, em outubro de 2016, para tentar aumentar as exportações de salmão norueguês.

A empresa da namorada do ministro, criada no início deste ano, também está debaixo de suspeitas. A companhia de Letnes destina-se precisamente a aumentar as exportações norueguesas de marisco para o Irão, levantando dúvidas sobre a existência de conflito de interesses visto Sandberg ser ministro das Pescas. Os jornalistas descobriram ainda que Letnes se candidatou ao cargo de assistente de Sandberg em 2016 (ele disse que não sabia), antes de ambos começarem a namorar.

Numa entrevista conjunta à NRK, o ministro e a namorada responderam às várias críticas que foram feitas. Entre elas, o facto de Letnes aparecer sem véu a cobrir o cabelo nas fotos. Ela respondeu que deixava a hijab "cair" quando não estava polícia ao pé. Além disso, puderam viajar sem ser casados (uma violação das leis locais) evitando hotéis e ficando em alojamentos privados, referiu Sandberg.

O tema tem dominado os jornais noruegueses nas últimas duas semanas, sendo possível acompanhar a história em inglês através dos artigos do site newsinenglish.no (editado por Nina Berglund, que ajudou a fundar o já extinto site em inglês do jornal Aftenposten, o de maior circulação na Noruega), que serviram de fonte para este texto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.