"Os germes não são reais". Apresentador da FOX não lava as mãos há dez anos

Pete Hegseth confessou na televisão, no programa "Fox and Friends", que não lava as mãos porque acredita que "os germes não são reais".

Pete Hegseth, apresentador de televisão do canal norte-americano Fox News, confessou no programa Fox and Friends, que não lava as mãos há 10 anos, porque "os germes não são reais". Formado nas universidades de Harvard e Princeton, Hegseth defendeu a teoria lembrando que os micróbios infecciosos não se podem ver a olho nu.

A confissão do apresentador aconteceu depois dos apresentadores do programa, Ed Henry e Jedediah Bila, terem gozado com o colega por ele comer restos de piza. "Acho que já não lavo as minhas mãos há 10 anos (....). É verdade, nunca lavo as mãos", atirou para surpresa dos colegas.

Mais tarde, no Twitter e depois de perceber a repercussão mundial que a confissão tinha tido, usou o presidente Donald Trump como exemplo e acusou a comunicação social de ser "hipócrita". "É muito hipócrita e raivosa. Relaxem e divirtam-se. O país vai bem (e minha saúde também). PS: eu também apoio beber água de mangueiras de jardins e andar de bicicleta sem capacete", escreveu Hegseth.

O problema, segundo o The Guardian é que Pete Hegseth, um ex-combatente no Iraque, era apontado como um dos favoritos de Trump a assumir o Departamento de Assuntos de Veteranos de Guerra, ou seja, a ficaria responsável pela saúde e bem-estar de cerca de 20 milhões de cidadãos americanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.