Apoiantes de Lula ocupam triplex: "Se é do Lula, o povo pode ficar"

Lula é acusado de ter recebido o apartamento em troca de favores à construtora OAS

Dois movimentos de apoio a Lula da Silva ocuparam esta segunda-feira o triplex do Guarujá, o apartamento no centro do caso que levou o ex-presidente brasileiro a ser condenado a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Lula é acusado de ter recebido o apartamento no Guarujá, uma cidade costeira brasileira perto de São Paulo, em troca de favores à construtora OAS, mas sempre negou que o imóvel lhe pertencesse. Os manifestantes dizem que foram convidados e que se a casa "é do Lula, o povo pode ficar".

Segundo o jornal Folha de São Paulo, em menos de cinco minutos cerca de 30 militantes dos movimentos MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem teto) invadiram o complexo, em protesto contra a detenção de Lula. Saltaram um muro, arrombaram a porta reservada à entrada dos banhistas, e subiram até ao apartamento, estendendo uma bandeira na varanda.

"É uma denúncia da farsa judicial que levou Lula a prisão. Se o triplex é dele, então o povo está autorizado a ficar lá. Se não é, precisam explicar porque ele está preso", disse Guilherme Boulos, coordenador do MTST e pré-candidato a presidência pelo PSOL, citado no El País.

A ocupação assustou os moradores, que chamaram a polícia. As autoridades negociam a saída dos manifestantes, que gravaram e emitiram a ocupação no Facebook. Também naquela rede social, deixam o convite para mais se juntarem a eles, num evento marcado para hoje, amanha e quarta-feira.

O ex-presidente brasileiro começou a cumprir esta pena em regime fechado no dia 08 de abril, quando se entregou e foi levado para as instalações da polícia federal na cidade brasileira de Curitiba.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.