Acordo entre democratas e republicanos para terminar 'shutdown' no governo americano

Governo federal estava paralisado deste a meia-noite de sábado devido à falta de orçamento para manter os serviços a funcionar

O governo federal dos EUA vai reabrir portas, após quase três dias de 'shutdown', depois de republicanos e democratas chegarem a um acordo temporário que estabelece as bases para três semanas de financiamento.

O governo federal norte-americano estava paralisado parcialmente desde a meia-noite de sábado, uma situação conhecida como 'shutdown', devido à falta de um acordo, na sexta-feira, entre republicanos e democratas no Senado (câmara alta do Congresso) sobre uma proposta de orçamento provisório que manteria os serviços a funcionar.

"Vamos votar hoje para reabrir o governo", disse o líder da minoria democrata Chuck Schumer ao Senado. Os democratas tinham insistido que qualquer acordo para terminar o 'shutdown' incluiria proteção para os jovens imigrantes indocumentados, os chamados "sonhadores".

Já os republicanos garantiam que não negociavam matérias de imigração até que os democratas lhes dessem os votos necessários para reabrir o governo.

Schumer revelou que tinha chegado a um acordo com o líder dos republicanos, Mitch McConnell, para manter o governo aberto até 8 de fevereiro e para discutir as questões dos "sonhadores".

Após muitas negociações, com propostas e contrapropostas, o líder da maioria republicana no Senado [câmara alta do Congresso] e eu chegámos a um acordo", declarou Schumer, assegurando que os democratas vão votar a favor, hoje, de uma proposta que permita financiar o governo federal norte-americano até 8 de fevereiro.

Várias áreas do governo federal dos Estados Unidos estão paralisadas parcialmente desde as 00:00 de sábado devido à falta de um acordo, na sexta-feira, entre republicanos e democratas no Senado sobre uma proposta de orçamento provisório que manteria os serviços a funcionar.

Antes, a proposta orçamental republicana tinha sido aprovada na quinta-feira pela Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso). A proposta em questão permitia financiar o governo federal até 16 de fevereiro e prolongar o prazo de negociação entre republicanos e democratas.

Os democratas condicionaram na altura o apoio ao projeto orçamental à regularização de cerca de 800 mil jovens indocumentados, conhecidos como 'dreamers', que chegaram aos EUA ainda crianças.

Para tentar encontrar uma solução, as forças políticas agendaram para hoje uma nova votação no Senado.

"Em algumas horas, o governo federal vai voltar a abrir. (...) Mas a liderança republicana tem 17 dias para encontrar uma solução para os 'dreamers'", disse Schumer, na sessão do Senado antes da votação de hoje.

A Câmara dos Representantes ainda terá de se pronunciar sobre este novo acordo, uma vez que não é o mesmo texto que adotou na quinta-feira.

Dezenas de milhares de funcionários do governo federal tinham começado esta segunda-feira a encerrar serviços, no primeiro dia útil após o início do 'shutdown'.

Este bloqueio acontece no primeiro aniversário da posse de Donald Trump e numa altura que o Partido Republicano controla as duas câmaras do Congresso.

Em outubro de 2013, durante a Presidência de Barack Obama, um bloqueio orçamental levou a 16 dias de paralisação da maior parte dos serviços públicos nos Estados Unidos.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...