Inglaterra vai permitir que as mulheres tomem medicação para o aborto em casa

Até agora, todos os procedimentos abortivos tinham de ser feitos em contexto hospitalar, mas a mulher abandonava a clínica logo após a toma do segundo comprimido, pelo que, em muitos casos, os efeitos do aborto - sangramento, dor - começavam a caminho de casa

Uma mulher que queira interromper a gravidez em Inglaterra, até às dez semanas de gestação, tem de tomar dois medicamentos - Mifepristone e Misoprostol - numa clínica, com 24 a 48 horas de intervalo entre as tomas. Após uma forte campanha de ativistas para a realização do aborto em casa, o governo anunciou este sábado que irá legalizar o uso doméstico de medicamentos para interrupção da gravidez em casa, permitindo a ingestão do segundo comprimido fora do contexto hospitalar.

A decisão, anuncia o The Guardian, segue os passos dados pela Escócia, que no ano passado se tornou a primeira parte do Reino Unido a permiti-lo, e pelo País de Gales, que em julho anunciou que iria tomar a mesma medida.

Atualmente, as mulheres saem das clínicas logo depois de tomar o Misoprostol, o que, segundo o Departamento de Saúde e Assistência Social, pode provocar stresse e traumas desnecessários, já que algumas mulheres começam sentir os efeitos do aborto - sangramento, dor, náuseas - ainda durante o caminho para casa.

Com a nova legislação, conta a publicação britânica, as mulheres podem interromper a gravidez num ambiente seguro e familiar.

Lesley Regan, presidente do colégio de Obstetrícia e Ginecologia, considera que a legalização da toma do Misoprostol em casa "é um grande passo à frente pela saúde das mulheres". Uma "medida simples e prática", que permitirá que as mulheres "evitem a aflição e o constrangimento do sangramento e dor" no regresso a casa, ou até mesmo de uma segunda visita ao hospital ou clínica.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.