"Impeachment" deve decidir-se até fim de abril

Primeiro passo do processo concluído ontem com tumultos entre deputados pró e contra Dilma Rousseff.

A Câmara dos Deputados do Brasil elegeu ontem os 65 deputados que farão parte da Comissão Especial de análise ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o primeiro passo do processo de destituição no Congresso Nacional. A comissão foi eleita por 433 votos a favor e apenas um voto contra.

O PT, partido da presidente, terá oito membros, o PMDB, aliado teórico do governo mas dividido na prática, também oito, e o PSDB, principal força da oposição, seis, de acordo com o princípio da proporcionalidade.

A partir de agora, Dilma tem 10 sessões da câmara para se defender. Terminada a defesa, os 513 deputados dispõem de cinco sessões para votar, sendo que para o impeachment prosperar são necessários os votos de 342 deputados, ou seja, a presidente precisa do apoio de 172 deputados para sobreviver politicamente ao processo de destituição na Câmara dos Deputados.

Caso não o consiga obter, será a vez do Senado, liderado por Renan Calheiros, membro do PMDB e à partida aliado da presidente, se pronunciar.

Se os senadores votarem maioritariamente contra Dilma, assume o cargo o vice-presidente Michel Temer, líder do mesmo PMDB.

Segundo Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, também do PMDB e principal rosto da oposição a Dilma no poder legislativo, em 45 dias o processo deve concluir-se. Ou seja, até o fim do abril.

No processo de destituição, os parlamentares vão analisar se Dilma cometeu crimes de responsabilidade previstos na Constituição e na Lei de Responsabilidade Fiscal. Durante as votações de ontem, houve tumultos entre os deputados. A oposição gritou "Dilma fora" e "renúncia" e os apoiantes do governo cantaram "não vai ter golpe".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.