Homem obrigado a comprovar que não é Saddam Hussein

O ditador iraquiano já morreu em 2006, mas há ainda quem o receie...

Um cliente britânico da Apple foi confrontado com um pedido insólito quando foi a uma loja Apple para devolver um iPhone que ali comprara: teria de comprovar que não era Saddam Hussein.

É certo que este cliente, residente na zona de Birmingham, tem um nome semelhante, Sharakat Hussain, mas o outro, o ditador iraquiano, já morreu em 2006.

Segundo conta hoje o The Sun, Sharakat Hussain, 26 anos, pai de dois filhos, comprou um iPhone para oferecer à irmã. Só que esta recusou o presente e ele voltou à loja para devolver o telemóvel. Explicaram-lhe que as 799 libras seriam devolvidas por transferência bancária.

Só que o tempo passou e nada. Sharakat Hussain contactou a Apple, que lhe respondeu que para ter o dinheiro de volta teria de comprovar que não era Saddam Hussein. O funcionário alegava que tinha de ter a certeza que não estava a vender um produto a uma das pessoas que constam da lista negra do Governo.

Hussain disse ao The Sun que nem acreditava no que lhe estavam a pedir e que ficou furioso por ser associado a Saddam.

A Apple prometeu resolver o assunto e pediu desculpas ao cliente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG