Governo despede 16 mil enfermeiros em greve

Enfermeiros são acusados de desrespeitarem um acordo que previa o regresso ao trabalho na passada terça-feira

O Governo do Zimbabué, país que celebra hoje o dia da independência, despediu cerca de 16 mil enfermeiros que estão em greve para protestar contra os baixos salários e exigir melhores condições de trabalho, noticiou a imprensa local.

O anúncio do despedimento coletivo foi feito em comunicado pelo vice-presidente zimbabueano, Constantino Chiwenga, o general que liderou o golpe de força militar que obrigou, em novembro de 2017, o então presidente Robert Mugabe a resignar à chefia do Estado.

No comunicado, Chiwenga acusou os enfermeiros de desrespeitarem um acordo que previa o regresso ao trabalho na passada terça-feira, um dia depois de terem iniciado a paralisação.

O Governo decidiu, para bem dos pacientes e para salvar vidas, despedir todos os enfermeiros em greve, medida com efeito imediato

Segundo o vice-presidente zimbabueano, o executivo gastou 17 milhões de dólares (cerca de 14 milhões de euros) para cumprir as exigências dos grevistas, pelo que a recusa em regressar aos postos de trabalho é vista como "uma falta de arrependimento politicamente motivada".

"O Governo decidiu, para bem dos pacientes e para salvar vidas, despedir todos os enfermeiros em greve, medida com efeito imediato", indicou Chiwenga, indicando que, para cobrir as vagas, o executivo vai contratar novos profissionais recém-licenciados e vai pedir aos que já se reformaram para regressarem temporariamente até que a situação seja regularizada.

Em reação, o Congresso de Sindicatos do Zimbabué (ZCTU, na sigla inglesa), criticou o despedimento coletivo e denunciou que o aumento do custo de vida afetou seriamente os salários dos trabalhadores.

Obrigar enfermeiros insatisfeitos a mal pagos a cuidar de cidadãos em hospitais mal equipados é pôr em perigo a vida das pessoas

"O Governo não fez nada para aliviar o sofrimento dos trabalhadores e dos cidadãos, pelo que as exigências de melhorias salariais são legítimas. Ao despedir os enfermeiros, o Governo de [o novo Presidente zimbabueano, Emmerson) Mnangagwa demonstra que está contra os trabalhadores", lê-se num comunicado da central sindical.

"Obrigar enfermeiros insatisfeitos a mal pagos a cuidar de cidadãos em hospitais mal equipados é pôr em perigo a vida das pessoas", acrescentou a ZCTU.

Também os professores e diretores das escolas do país ameaçaram com uma greve se as reivindicações não estiverem cumpridas até ao início do terceiro trimestre, em maio

A greve começou duas semanas após o fim de uma outra paralisação dos médicos, que durou cerca de um mês.

Pelas mesmas razões dos médicos e enfermeiros, também os professores e diretores das escolas do país ameaçaram com uma greve se as reivindicações não estiverem cumpridas até ao início do terceiro trimestre, em maio.

O Zimbabué, país que acedeu à independência faz hoje precisamente 38 anos, vai realizar eleições gerais em julho, nove meses depois de Robert Mugabe ter sido forçado (a 21 de novembro de 2017) a abandonar a Presidência do país que liderou desde 1980.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG