FBI já apanhou em 2016 cinco fugitivos da lista dos mais procurados

Fidel Urbina foi capturado no México após 17 anos em fuga, mas estava na lista só desde 2012. Víctor Manuel Gerena está lá há 32 anos

Com a detenção de Fidel Urbina, que estava em fuga há 17 anos após ter violado duas mulheres e assassinado uma delas, o FBI elevou para cinco o número de fugitivos da lista dos dez mais procurados que já capturou neste ano. Há uma década que a polícia federal norte-americana não tinha tanto sucesso na "limpeza" dos que considera serem os piores criminosos do país. Os outros quatro detidos desde janeiro passaram menos de um mês na lista, mas há um homem que está lá há mais tempo do que qualquer outro alguma vez esteve: Víctor Manuel Gerana é procurado há 32 anos.

O mexicano Fidel Urbina, de 41 anos, foi capturado sem incidentes na quinta-feira em Valle Santiago, no estado de Chihuahua, no México, depois de um ano de investigação. "Muitos familiares esperaram muito tempo para que este dia chegasse e merecem uma oportunidade de enfrentar o arguido num tribunal", disse o agente especial Michael J. Anderson, responsável pelos escritórios do FBI em Chicago, cidade onde ocorreram os crimes pelos quais Urbina é acusado.

Na madrugada de 28 de fevereiro de 1998, o suspeito ofereceu-se para dar boleia a duas funcionárias do bar Sabinas Tavern. Depois de deixar uma delas em casa, abusou sexualmente da outra numa oficina para onde a tinha levado contra sua vontade. A vítima conseguiu escapar quando o agressor adormeceu e denunciou-o à polícia. Urbina foi detido, mas libertado sob caução enquanto aguardava julgamento.

Meses depois, o seu ADN surgiu ligado a outro crime. A 20 de outubro desse mesmo ano, a polícia de Chicago encontrou o corpo de Gabriella Torres, de 22 anos, carbonizado na bagageira do seu carro. A autópsia revelou que tinha sido espancada até à morte depois de ter sido violada, tendo sido encontrados vestígios de sémen de Urbina. A vítima tinha ido com o carro a uma oficina, que pertencia ao mexicano.

Urbina conseguiu fugir e desde 20 de julho de 1999 que havia um mandado federal para a sua captura. As autoridades norte-americanas sempre suspeitaram que estaria no México (onde usou vários nomes falsos), tendo solicitado em 2006 à polícia mexicana a sua detenção para extradição. A 5 de junho de 2012, o seu nome foi adicionado à lista dos mais procurados pelo FBI.

"Quero agradecer aos nossos parceiros pelo trabalho extraordinário na captura de Fidel Urbina, cujas ações impiedosas contra vítimas inocentes roubaram uma família de uma filha e deixaram cicatrizes permanentes noutra mulher que teve a sorte de sobreviver ao seu ataque", acrescentou Anderson, dizendo que esta detenção deve servir de aviso a todos os criminosos violentos e é uma prova do que as forças de segurança conseguem fazer quando conjugam esforços a nível federal, estatal e local.

509 fugitivos

A lista dos dez fugitivos mais procurados do FBI nasceu a 14 de março de 1960, quando um jornalista pediu à agência federal os nomes e a descrição dos indivíduos "mais duros" que queria ver capturados. A notícia que o jornalista escreveu teve tanta repercussão que o então diretor, J. Edgar Hoover, resolveu criar o programa (mais tarde viriam a surgir outras listas, de terroristas ou de crimes contra crianças, por exemplo).

Thomas James Holden, procurado pela morte da mulher e dos irmãos dela, foi o primeiro nome da lista dos fugitivos mais procurados. Seria capturado mais de um ano depois, a 23 de junho de 1951, graças à dica de um cidadão. Desde então, 509 criminosos (entre os quais apenas dez mulheres) já passaram por lá e 158 foram capturados graças a esse tipo de informações.

A pessoa que menos tempo passou na lista foi Billy Austin Bryant, que em 1969 matou dois agentes do FBI depois de ter fugido da prisão. Só lá esteve durante duas horas. Neste ano, além de Urbina, as autoridades já capturaram mais quatro fugitivos e nenhum deles passou mais de um mês na lista.

Myloh Jaqory Mason, procurado por dois assaltos a bancos do Colorado em setembro e novembro do ano passado, entrou para a lista a 17 de dezembro e foi capturado num motel do estado 29 dias depois. Philip Patrick Policarpio foi preso a 28 de maio, nove dias após o seu nome ter entrado para os mais procurados por causa da morte da namorada, que estava grávida de 17 semanas. Neste ano passaram pela lista duas mulheres, mas uma foi detida dois dias depois e a outra três. Brenda Delgado era procurada por mandar matar a nova companheira do ex-namorado e Shanika S. Minor foi presa em julho pelo homicídio de uma vizinha da mãe, grávida de nove meses, que alegadamente teria denegrido a sua família.

Desde 2006 que o FBI não capturava num ano cinco nomes da lista dos mais procurados, sendo preciso recuar até 2002 para ter seis detenções (o melhor ano foi 1968, com 33 detenções, e em 2015 não houve nenhuma).

O fugitivo que escapa há mais tempo à polícia federal é Víctor Manuel Gerena, que entrou para a lista em 1984. Ainda hoje é procurado pelo roubo de sete milhões de dólares em 1983, num assalto à mão armada a uma empresa de segurança no Connecticut. As autoridades oferecem uma recompensa de um milhão de dólares por pistas que levem à sua captura.