Diretora-geral de ONG demite-se devido a escândalo sexual

Penny Lawrence revelou sentir "vergonha" pelos colaboradores da Oxfam que pagaram para ter sexo com prostitutas pouco depois do devastador sismo no Haiti

A diretora-geral adjunta da organização não-governamental (ONG) Oxfam, Penny Lawrence, pediu hoje demissão do cargo devido ao escândalo sexual que implica responsáveis da organização durante uma missão no Haiti em 2011.

Penny Lawrence admitiu, num comunicado, que a organização recebeu queixas sobre possíveis comportamentos inadequados por parte desses trabalhadores antes de serem enviados para o país das Caraíbas e não tomou medidas adequadas.

"Como diretora do programa nesse momento, eu tenho vergonha de que isso tenha acontecido sob a minha supervisão e assumo toda a responsabilidade", disse a responsável da Oxfam.

Na semana passada, o diário The Times revelou que esses trabalhadores, entre os quais diretores e colaboradores, pagaram para ter relações sexuais com prostitutas pouco depois do devastador sismo no Haiti, que deixou cerca de 1,5 milhões de pessoas sem casa.

O jornal The Observer também publicou, este fim de semana, as acusações de que trabalhadores da ONG também contrataram prostitutas no Chade em 2006, quando o responsável da organização no país era o mesmo que dirigiu a missão no Haiti, o belga Roland van Hauwermeiren.

"Nos últimos dias, percebemos que foram transmitidas preocupações com o comportamento do pessoal no Chade, bem como no Haiti e não conseguimos responder adequadamente", disse hoje Penny Lawrence.

"Agora, está claro que essas acusações, que envolvem o uso de prostitutas e estão relacionadas ao comportamento tanto do diretor como dos membros de sua equipa (no Chade), foram transmitidas antes que (Van Hauwermeiren) fosse transferido para o Haiti", reconheceu.

A responsável da ONG, que recebe cerca de 32 milhões de libras (36 milhões de euros) por ano do Governo britânico, pediu desculpas pelo "dano e a angústia que isto causou a quem apoia a Oxfam e ao setor de cooperação", bem como "as pessoas vulneráveis" afetadas.

O diretor-executivo da organização, Mak Goldring, expressou o seu "profundo respeito pela decisão de Penny Lawrence de aceitar a responsabilidade pessoalmente".

"Como nós, ela está destroçada pelo que aconteceu e está determinada a fazer o que é melhor para a Oxfam e para as pessoas que ajudamos, que é a nossa razão para existir", disse Goldring.

A secretária de Estado da Cooperação Internacional do Reino Unido, Penny Mordaunt, assegurou no fim de semana que o executivo britânico retirará os fundos públicos a qualquer ONG que não coopere com as autoridades nas investigações para descobrir casos de abuso sexual e não adote medidas para evitá-los.

Penny Mordaunt encontrou-se hoje com funcionários da ONG britânica para enfrentar o escândalo, após as revelações sobre a missão no Haiti revelada pelo jornal The Times na semana passada.

A Oxfam, uma confederação de organizações humanitárias com sede na Grã-Bretanha, disse que lançou imediatamente uma investigação interna em 2011. Quatro funcionários foram demitidos e outros três saíram da entidade antes do final desta investigação, assegurou a ONG.

No domingo, a nova diretora do conselho da Oxfam, Caroline Thomson, pediu desculpas e anunciou um pacote de medidas para fortalecer a prevenção e o tratamento de casos de abuso sexual.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG