Desta vez sem apresentador, Óscares subiram audiências pela primeira vez em cinco anos

Desde 2009 que a transmissão da cerimónia mantém audiências abaixo dos 40 milhões.

O ano passado tinha sido o pior de sempre nas audiências da cerimónia dos Óscares, depois de quatro edições consecutivas em queda livre. De acordo com o The New York Times, este ano, os números mudaram e a transmissão televisiva do canal ABC da 91ª edição foi vista por cerca de 29,6 milhões de espetadores, um aumento de 14% em relação a 2018, com 26,5 milhões.

Muito se especulou sobre como seria assistir à cerimónia sem apresentador, dividindo o mundo entre entusiastas e céticos. Em dezembro do ano passado, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas levantou o nome de Kevin Hart como o apresentador escolhido para esta edição, mas uma polémica em torno de alguns tweets considerados homofóbicos levaram à demissão do ator para o papel. Pela primeira vez em 30 anos, os Óscares não teriam apresentador. Estava também prometida uma cerimónia mais curta e com menos categorias para premiar. Os resultados não deixaram a desejar.

Foi Green Book - Um Guia Para a Vida, de Peter Farrelly, que mais surpreendeu - contra o favoritismo de Roma - ao ganhar o Óscar de Melhor Filme, mas também os de Melhor Argumento Original e o de Melhor Ator Secundário. Também Bohemian Rhapsody saiu vencedor, agarrando quatro estatuetas.

Mas a noite foi de duas atuações que rapidamente extrapolaram para as redes sociais, vistas como as mais emocionantes da noite: primeiro, a abertura da cerimónia com a atuação dos Queen e Adam Lambert, e depois o momento em que Lady Gaga e Bradley Cooper subiram juntos ao palco para dar voz a Shallow, um dos temas mais esperados da noite.

Apesar da subida nas audiências, ainda há muito para caminhar para que a cerimónia volte a conquistar os mesmos números de anos anteriores. Desde 2009, aquela com mais audiência foi a de 43,7 milhões de espetadores, apresentado pela Ellen DeGeneres. E desde então que a transmissão televisiva está abaixo dos 40 milhões.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.