Cidades australianas invadidas por milhares de cangurus e animais selvagens

A pior seca dos últimos 50 anos está a gerar o pânico entre os habitantes - e turistas - da Austrália devido aos milhares de animais selvagens que se dirigem para as cidades em busca de água e comida.

As cidades australianas estão a ser invadidas por todo o tipo de animais selvagens devido à maior seca dos últimos 50 anos. Os cangurus são o exemplo mais conhecido, mas todo o género de aves dirigem-se também para as zonas habitacionais onde podem encontrar comida e água.

As redes sociais e a imprensa australiana estão repletas de fotografias que testemunham a morte de inúmeros animais, a maioria delas impressionantes. É o caso de cangurus mortos, dos quais praticamente só lhes resta o esqueleto.

Além dos cangurus, são os emus - a maior ave nativa da Austrália e a que possui maior envergadura a seguir ao avestruz - a espécie que mais está a migrar em busca de sobrevivência. Pode-se ver uma fotografia que mostra três emus na rua principal da cidade de Broken Hill, que vão devorando os jardins da localidade e das casas no trajeto.

Também coisa raramente vista são as caravanas de camelos que abandonaram a costa ocidental da Austrália e já percorreram centenas de quilómetros em busca de água e comida. Esta espécie nunca tinha ido tão longe e o modo como os agricultores os estão a receber é a tiro. A Austrália é o país que abriga o maior rebanho de camelos à solta do mundo, mais de 750 mil animais.

Segundo um porta-voz do grupo Salvamento e Reabilitação dos Animais nativos da Austrália, a instituição está a receber muitos telefonemas de habitantes de várias localidades a relatarem situações de animais de todo o género desesperados em busca de água e comida. Também existem várias situações em que os emus, por exemplo, são atacados por cães

As autoridades têm pedido para as pessoas não deixarem vasilhas com água e alimentos perto das autoestradas para evitar que os animais causem acidentes. Outra das preocupações das autoridades diz respeito aos turistas que se deparam com bandos de animais selvagens e não sabem como se comportarem perante eles.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.