YouTube suspende projetos com blogger Logan Paul após vídeo sobre suicídio

A filial da Google indicou na terça-feira que vai anunciar em breve medidas "para garantir que um vídeo como aquele [não seja] jamais difundido" na sua plataforma.

A plataforma vídeo YouTube suspendeu projetos com o norte-americano Logan Paul, depois de o 'blogger' e ator ter publicado imagens de um suicida.

No início do mês, o jovem de 22 anos gerou polémica por ter difundido imagens de uma pessoa enforcada numa árvore na floresta japonesa Aokigahara, perto do monte Fuji, um local conhecido por ser palco frequente de suicídios.

O vídeo mostrava imagens de Logan Paul e alguns amigos a encontrarem o corpo e a fazerem algumas piadas a rirem sobre a presença do cadáver.

As imagens foram retiradas do YouTube horas depois pelo próprio. No entanto, segundo vários meios de comunicação social norte-americanos, tinham registado previamente mais de seis milhões de visualizações.

O conhecido 'blogger' pediu desculpas aos cerca de 15 milhões de seguidores.

No entanto, e depois de muitas críticas, o YouTube decidiu suspender os projetos que estavam em preparação com Logan Paul, anunciou na quarta-feira um porta-voz da plataforma à agência de notícias francesa AFP.

O 'blogger' trabalhava na sequência do filme "The Thinning", difundido o ano passado na YouTube Red, que oferece conteúdos desenvolvidos especificamente para a plataforma.

O YouTube também indicou que Logan Paul não vai aparecer na quarta temporada da série do YouTube "Foursome", da qual era um dos principais personagens.

A plataforma decidiu também retirá-lo do portefólio "Google Preferred", que oferece aos anunciantes acesso a 5% dos conteúdos mais vistos do YouTube.

A filial da Google indicou na terça-feira que vai anunciar em breve medidas "para garantir que um vídeo como aquele [não seja] jamais difundido" na sua plataforma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.