Respondeu a uma mensagem no Facebook e estava casada sete dias depois

Esta é uma história de um rapaz que conheceu uma rapariga, no tempo da internet, e de como se casaram... em sete dias

Primeiro pensou que era uma brincadeira no Facebook e resolveu responder, depois conheceu o potencial noivo e sete dias depois, no total, estava casada. Esta é a história de Sophy Ijeoma, uma mulher nigeriana que respondeu a uma publicação de um conhecido nas redes sociais e acabou por se ver casada pouco tempo depois.

A mensagem de Chidimma Amedu foi publicada a 30 de dezembro, conta a BBC, e dizia: "Sou maior de idade e estou pronto para dizer sim sem perder tempo. Enviem as vossas candidaturas - a mais qualificada estará casada a 6 de janeiro, 2018. O prazo de candidatura termina à meia-noite de dia 31/12/201".

Chidimma esclareceu nas mensagens seguintes que não estava a brincar e recebeu algumas respostas - uma delas era a de Sophie. Depois de falarem através de uma chamada de vídeo, o rapaz fez 500 quilómetros para visitar a jovem em Enugu. Para ela, foi "amor à primeira vista", contou à BBC. "É um dos homens mais bonito que já conheci e gostei imediatamente dele."

Apesar de conhecer a mulher/marido no Facebook não ser uma forma tradicional de encontrar a cara-metade na Nigéria, conseguir a aprovação da família é importante na cultura dos igbos. E esse foi o passo seguinte de Chidimma, que fez Sophie perceber que afinal o jovem não estava a brincar ou a exagerar e chegar à conclusão que queria casar. Foram então pedir a bênção à mãe da jovem, que sendo viúva passou a questão ao irmão mais velho. Tudo num dia.

A outra questão que importava resolver - como organizar um casamento em dias -, já Chidimma tinha mais ou menos resolvido. O jovem tinha estado noivo, com casamento marcado para dezembro, mas ficado sem namorada em março. "Tinha o desejo de casar, um data na cabeça, mas nenhuma noiva, por isso decidi fazer a publicação como uma piada, mas estava disponível", conta Chidimma, citado pela BBC.

O casamento foi celebrado numa cerimónia tradicional igbo e as fotografias foram devidamente partilhadas no Facebook.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.