Ramos-Horta vai protestar por retrato de Timor-Leste em série norte-americana

No arranque da nova temporada da série "Madam Secretary", Timor-Leste é um país controlado por um cartel de droga

O ministro timorense José Ramos-Horta vai apresentar um protesto formal pelo retrato feito de Timor-Leste como um país controlado por um cartel de droga mexicano, no arranque da nova temporada da série de ficção norte-americana Madam Secretary.

Timor-Leste domina o enredo do episódio de arranque da quarta temporada da série de ficção política da CBS misturando factos reais - como a atual disputa sobre fronteiras marítimas com a Austrália - com erros (colocam essa disputa no Mar do Sul da China) e com um retrato "abusivo" do país.

"Isto só revela a cambada de ignorantes que prevalecem nos Estados Unidos quando Timor-Leste está bem longe da China, não tem sequer fronteira de qualquer espécie com a China", disse à Lusa o ministro de Estado, José Ramos-Horta.

"Vou ver com amigos dos Estados Unidos e gente de Hollywood para protestar contra isto. É uma difamação contra um país, que só mostra ignorância e racismo", afirmou.

O episódio arranca com a chegada da personagem principal, Elisabeth MCourt (interpretada pela atriz Tea Leoni) às Nações Unidas, onde é interpelada pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Rogerio Bento (interpretado por Raúl Aranas) com quem a delegação norte-americana promete um contacto posterior.

Um assessor explica que a interpelação "deve ter a ver com a disputa de fronteiras marítimas entre Timor-Leste e a Austrália no Mar do Sul da China".

No episódio, Timor-Leste é caracterizado como um país controlado por um cartel mexicano de droga que usa o território como um centro de distribuição. Os EUA acabam por recorrer à China para agir, ajudando a deter o líder do cartel de droga para evitar que "Timor-Leste se torne um narco Estado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.