Morte e funeral de Salazar em 1970

Debilitado desde a queda da cadeira em 1968, Salazar morreu a 27 de julho de 1970. O funeral foi nos Jerónimos, a 30, tendo o corpo seguido de comboio para Santa Comba Dão, onde está sepultado

A morte em 1970 do homem que durante quatro décadas pôs e dispôs no país mereceu uma edição especial do DN colocada à venda ao fim da manhã do próprio dia 27 de julho, com a manchete a anunciar "Portugal está de luto - Morreu o Presidente Salazar". Desde a célebre queda da cadeira, em agosto de 1968 quando folheava o nosso jornal no Forte de Santo António, no Estoril, que António de Oliveira Salazar deixara de governar. Mas apesar de Marcelo Caetano ser o chefe do governo, toda a gente, e sem falha a imprensa, mantinha o respeitoso tratamento de "Presidente Salazar". Isso devia-se a que ao primeiro-ministro da época se costumava chamar presidente do Conselho, pois o presidente da República era Américo Tomás. Salazar não esteve na liderança do golpe de 28 de maio de 1926, que foi obra dos militares, mas cedo emergiu como a principal figura do novo regime. A partir de 1932, foi chefe do governo, destacando-se por sanear as contas públicas e por manter Portugal fora da Segunda Guerra Mundial. Depois de 1945, com o fim do fascismo na Europa não ibérica, o regime foi ficando mais isolado, ainda mais quando rejeitou a descolonização na década de 1960, contra americanos e soviéticos. A revolução aconteceu quatro anos depois da morte de Salazar, como se o regime salazarista fosse incapaz de sobreviver ao fim do seu construtor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.