Morte e funeral de Salazar em 1970

Debilitado desde a queda da cadeira em 1968, Salazar morreu a 27 de julho de 1970. O funeral foi nos Jerónimos, a 30, tendo o corpo seguido de comboio para Santa Comba Dão, onde está sepultado

A morte em 1970 do homem que durante quatro décadas pôs e dispôs no país mereceu uma edição especial do DN colocada à venda ao fim da manhã do próprio dia 27 de julho, com a manchete a anunciar "Portugal está de luto - Morreu o Presidente Salazar". Desde a célebre queda da cadeira, em agosto de 1968 quando folheava o nosso jornal no Forte de Santo António, no Estoril, que António de Oliveira Salazar deixara de governar. Mas apesar de Marcelo Caetano ser o chefe do governo, toda a gente, e sem falha a imprensa, mantinha o respeitoso tratamento de "Presidente Salazar". Isso devia-se a que ao primeiro-ministro da época se costumava chamar presidente do Conselho, pois o presidente da República era Américo Tomás. Salazar não esteve na liderança do golpe de 28 de maio de 1926, que foi obra dos militares, mas cedo emergiu como a principal figura do novo regime. A partir de 1932, foi chefe do governo, destacando-se por sanear as contas públicas e por manter Portugal fora da Segunda Guerra Mundial. Depois de 1945, com o fim do fascismo na Europa não ibérica, o regime foi ficando mais isolado, ainda mais quando rejeitou a descolonização na década de 1960, contra americanos e soviéticos. A revolução aconteceu quatro anos depois da morte de Salazar, como se o regime salazarista fosse incapaz de sobreviver ao fim do seu construtor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.