Facebook vai dar prioridade a conteúdos pessoais e não a empresas e notícias

O anúncio foi feito pelo fundador Mark Zuckerberg, que justificou as mudanças com o desejo de melhorar e tornar mais valiosas as experiências dos utilizadores da rede social

A rede social Facebook anunciou, na quinta-feira, que vai dar prioridade aos conteúdos publicados por familiares e amigos dos utilizadores em detrimento dos que têm 'carimbo' de empresas, marcas ou meios de comunicação social.

O anúncio foi feito pelo fundador Mark Zuckerberg, que justificou as mudanças com o desejo de melhorar e tornar mais valiosas as experiências dos utilizadores da rede social. "Recentemente, temos recebido comentários da nossa comunidade [de utilizadores] de que o conteúdo público, 'posts' de empresas, marcas e meios de comunicação, está a excluir os momentos pessoais que nos levam a ligarmo-nos mais com os outros", afirmou, numa publicação no seu perfil oficial no Facebook.

"É fácil perceber como chegámos aqui. Vídeo e outros conteúdos públicos têm explodido no Facebook nos últimos dois anos. Dado que há mais conteúdos públicos do que 'posts' dos nossos amigos e familiares, o equilíbrio entre o que aparece no 'feed' de notícias afastou-se da coisa mais importante que o Facebook pode fazer, ajudar a ligarmo-nos uns com os outros", escreveu Mark Zuckerberg.

O fundador do Facebook afirmou ainda que há estudos académicos que sinalizam que este desequilíbrio não é positivo. "As investigações mostram que quando usamos as redes sociais para nos conectarmos com pessoas com as quais nos preocupamos isso pode ser bom para o nosso bem-estar. Podemos sentirmo-nos mais ligados e menos sozinhos, e isso tem uma correlação com os índices de felicidade e saúde a longo prazo", sustentou.

"Por outro lado, ler artigos ou ver vídeos de forma passiva, mesmo que sejam de entretenimento ou informativos, pode não ser tão bom", acrescentou.

Zuckerberg afirmou que o Facebook encetou as mudanças nesta direção no ano passado, e adiantou que os utilizadores da rede social vão começar a ver em breve mais publicações no seu mural de familiares, amigos e conhecidos.

Segundo os mais recentes dados oficiais, correspondentes a setembro de 2017, o Facebook contava com uma média de 1.370 milhões de utilizadores ativos diariamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.