Campeonato da Europa de futsal transmitido pela TVI

A competição decorre de 2 a 13 de fevereiro na Sérvia. Portugal é uma das 12 seleções presentes

O Europeu de futsal 2016 vai jogar-se na TVI e TVI24. Com início marcado para o dia 2 de fevereiro, todos os jogos da seleção nacional serão transmitidos em direto pela estação de Queluz de Baixo, quer no seu canal de informação como também na antena generalista.

"Da fase de grupos vamos dar os jogos da seleção nacional contra a Eslovénia e a Sérvia. Um deles na TVI24 e outro na TVI. Depois se Portugal seguir em frente, como acredito que vai acontecer, os jogos são na TVI. Se por outro lado, não passar, todos os jogos, incluindo quartos-de-final, meias-finais e final, são transmitidos na TVI24", explicou à nossa publicação Rui Pedro Braz, um dos rostos do programa Mais Transferências, que vai ser comentador das partidas. "Vamos ter uma equipa de reportagem na Sérvia, onde acontece esta edição do campeonato da Europa. Será o Pedro Monteiro a ir, cá estou eu e, provavelmente, o Pedro Sousa a narrar os jogos", acrescentou.

De recordar que o futsal tem sido uma aposta estratégica e constante da TVI neste último ano. Após ter transmitido o torneio ibérico Masters Cup, a fase de apuramento para o campeonato do mundo e, mais recentemente, a primeira edição da Taça da Liga conquistada pelo Sporting, segue-se agora o campeonato da Europa de Futsal, cuja competição a seleção das quinas "alimenta legítimas ambições de a poder conquistar". "É, de longe, a modalidade que mais tem crescido em Portugal. É o desporto de pavilhão que está com mais seguidores, neste momento, quer em termos de praticantes, quer em termos de audiências. Tem sido uma aposta ganha da TVI e fico muito contente porque sempre foi a minha modalidade de eleição, a par do futebol", explicou Rui Pedro Braz.

A seleção de Portugal, orientada pelo treinador Jorge Braz, está integrada no grupo A, juntamente com a Eslovénia e a Sérvia, país anfitrião. A estreia no europeu está marcada para o dia 4 de fevereiro, diante da seleção eslovena, pelas 17.30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.