Campeonato da Europa de futsal transmitido pela TVI

A competição decorre de 2 a 13 de fevereiro na Sérvia. Portugal é uma das 12 seleções presentes

O Europeu de futsal 2016 vai jogar-se na TVI e TVI24. Com início marcado para o dia 2 de fevereiro, todos os jogos da seleção nacional serão transmitidos em direto pela estação de Queluz de Baixo, quer no seu canal de informação como também na antena generalista.

"Da fase de grupos vamos dar os jogos da seleção nacional contra a Eslovénia e a Sérvia. Um deles na TVI24 e outro na TVI. Depois se Portugal seguir em frente, como acredito que vai acontecer, os jogos são na TVI. Se por outro lado, não passar, todos os jogos, incluindo quartos-de-final, meias-finais e final, são transmitidos na TVI24", explicou à nossa publicação Rui Pedro Braz, um dos rostos do programa Mais Transferências, que vai ser comentador das partidas. "Vamos ter uma equipa de reportagem na Sérvia, onde acontece esta edição do campeonato da Europa. Será o Pedro Monteiro a ir, cá estou eu e, provavelmente, o Pedro Sousa a narrar os jogos", acrescentou.

De recordar que o futsal tem sido uma aposta estratégica e constante da TVI neste último ano. Após ter transmitido o torneio ibérico Masters Cup, a fase de apuramento para o campeonato do mundo e, mais recentemente, a primeira edição da Taça da Liga conquistada pelo Sporting, segue-se agora o campeonato da Europa de Futsal, cuja competição a seleção das quinas "alimenta legítimas ambições de a poder conquistar". "É, de longe, a modalidade que mais tem crescido em Portugal. É o desporto de pavilhão que está com mais seguidores, neste momento, quer em termos de praticantes, quer em termos de audiências. Tem sido uma aposta ganha da TVI e fico muito contente porque sempre foi a minha modalidade de eleição, a par do futebol", explicou Rui Pedro Braz.

A seleção de Portugal, orientada pelo treinador Jorge Braz, está integrada no grupo A, juntamente com a Eslovénia e a Sérvia, país anfitrião. A estreia no europeu está marcada para o dia 4 de fevereiro, diante da seleção eslovena, pelas 17.30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.