Hillary ou Trump? Em quem é que "Os Simpsons" vão votar?

As eleições para a escolha do sucessor de Barack Obama no cargo de presidente dos EUA só acontecem em novembro, mas Marge e Homer Simpson já sabem em quem é que vão votar.

A sátira política tem sido uma constante ao longo das 27 temporadas de Os Simpsons. A pouco mais de três meses de se realizarem as eleições para a presidência dos EUA, a série criada por Matt Groening não quis deixar passar em branco este tema e, mesmo estando de "férias" do pequeno ecrã, decidiu fazer uma curta-metragem que foi publicada no canal de YouTube da Fox.

No vídeo, o casal Simpson está deitado na cama, mas algo atormenta Marge. "Não consigo fazer amor enquanto não decidir em quem é que vou votar". É nessa altura que Homer decide ligar a televisão, onde está a ser exibido um vídeo alusivo à campanha de 2008 de Hillary Clinton, atual candidata democrata à corrida presidencial dos EUA, no qual um telefone toca às 03.00 da manhã e se ouve o narrador a questionar quem é que os norte-americanos querem que lidere o país em tempos de crise.

Na versão de Os Simpsons, o telefone também toca à mesma hora e o narrador pergunta quem é que o espectador quer que atenda o telefone, em alusão a quem deverá ser o novo inquilino da Casa Branca. Hillary Clinton ou Donald Trump, candidato republicano à presidência dos EUA?

Depois de ver o vídeo, a matriarca da família está mais aliviada e confessa ao marido que já tomou a sua decisão. Homer concorda-a e afirma que vai votar em Donald Trump. E é aqui que surge o problema, já que Marge afirma que, nesse caso, não sabe se poderá continuar casada com ele, pelo que Homer decide mudar a sua intenção de voto. "E foi assim que me tornei um democrata", diz, no final do vídeo.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.