Rússia não vai interferir nas eleições da Bósnia-Herzegovina - MNE russo

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia disse hoje que Moscovo não deseja interferir nas eleições do próximo mês na Bósnia, uma nação etnicamente dividida e onde existe uma forte influência russa entre os sérvios do país.

Sergei Lavrov disse hoje, após reuniões com autoridades em Sarajevo, capital da Bósnia, que a Rússia respeitará o resultado das eleições gerais de 07 de outubro, seja qual for o resultado.

Analistas alertaram que a visita de Lavrov poderia ser vista como um apoio ao nacionalista Milorad Dodik, líder da entidade sérvia da Bósnia.

Depois da visita a Sarajevo, Lavrov dirigiu-se para a cidade principal da Bósnia-Herzegovina, Banja Luka, onde deverá ser recebido por milhares de pessoas.

As entidades muçulmano-croata e sérvia estabeleceram um acordo de paz mediado pelos Estados Unidos que pôs fim ao sangrento conflito que ocorreu entre 1992 e 1995 no país.

Mais de 100.000 pessoas morreram neste conflito.

Desde o final da guerra civil interétnica com a assinatura dos acordos de Dayton que a Bósnia-Herzegovina está dividida em duas entidades, a Federação croato-bosníaca e a República Srpska (RS/a entidade dos sérvios da Bósnia).

Estão unidas por frágeis instituições centrais comuns, cuja autoridade é cada vez menos respeitada.

Segundo o último recenseamento, em 2013, a Bósnia tem 3,5 milhões de habitantes, com cerca de 50% de bosníacos (muçulmanos), 33% de sérvios e 15% de croatas.

Entre os fundadores em 1992 da RS inclui-se Radovan Karadzic, o ex-líder político condenado a 40 anos de prisão pelo extinto tribunal de Haia para a Jugoslávia (TPIJ) por genocídio e crimes contra a humanidade no decurso da guerra civil.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG